Guindos exclui cenário de estagflação

  • ECO
  • 22 Março 2022

“Mesmo no cenário mais pessimista”, o Banco Central Europeu prevê “um crescimento de cerca de 2% em 2022”, sinaliza o vice-presidente da instituição.

A invasão russa à Ucrânia vai penalizar a economia da zona euro que, ainda assim, vai continuar a crescer, mesmo que haja uma escalada do conflito, assegurou o vice-presidente o Banco Central Europeu, Luis de Guindos, citado pela Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

O vice-presidente o Banco Central Europeu sublinhou numa conferência que, “até agora, se pode afastar a possibilidade de estagflação”, porque “mesmo no cenário mais pessimista”, o BCE prevê “um crescimento de cerca de 2% em 2022”.

O responsável admite ainda assim que também é necessário ficar de olho no mercado das matérias-primas, onde se registaram vários máximos históricos devido ao impacto do conflito na Ucrânia e nas relações com a Rússia.

Guindos salientou ainda que, apesar de os altos preços da energia estarem a fazer a inflação disparar para níveis recordes, ainda não há indicação de que as expectativas deste indicador estejam a começar a subir ou a tornar-se “desancoradas”.

A estagflação, que é um período marcado pela elevada inflação, pelo baixo crescimento e por muito desemprego, ocorreu na década de 70 por causa de um choque petrolífero e tem sido um cenário apontado como possível de se repetir nesta altura.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Guindos exclui cenário de estagflação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião