Leis laborais e impostos dificultam retenção de talento, diz líder da Meo

Nova CEO da Altice Portugal alerta que as telecoms sabem atrair talento, mas têm dificuldade em retê-lo "ao nível laboral e tributário". Trabalhadores são "assediados" por "indústrias mais sexy".

A nova presidente executiva da Altice Portugal, que veio da República Dominicana e assumiu funções há pouco mais de um mês, defendeu esta quinta-feira que o setor enfrenta “escassez” de talento. Apesar de ser capaz de o atrair, o desafio é retê-lo, um problema para o qual contribuem, por exemplo, os impostos.

“Não temos dificuldade em atrair [talento], mas dificuldade em retê-lo. Infelizmente, em algumas matérias não somos competitivos, como ao nível laboral e tributário”, o que reduz a competitividade do país “em termos de salário líquido”, afirmou Ana Figueiredo, no debate dos CEO das operadoras de telecomunicações, inserido no congresso da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC).

O setor sempre soube atrair talento, mas esse talento está a ser assediado por outras indústrias, que são mais sexy.

Ana Figueiredo

CEO da Altice Portugal

O líder da Nos concordou na perda de competitividade no talento pela via fiscal. Na mesma ocasião, Miguel Almeida disse: “Hoje, [tendo em conta] o que pagamos bruto a um colaborador, noutro país, [ele] acaba por levar bem mais dinheiro para casa.”

Ana Figueiredo defendeu também que “Portugal tem um trabalho a fazer na literacia digital”. Nas competências básicas, e apesar de ser necessário “um esforço nas escolas”, existe uma “população envelhecida” que não pode ser deixada para trás.

Mas “também temos de desenvolver competências avançadas”, indicou, rematando: “O setor sempre soube atrair talento, mas esse talento está a ser assediado por outras indústrias, que são mais sexy.”

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Leis laborais e impostos dificultam retenção de talento, diz líder da Meo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião