Bosch quer contratar mais de 1.100 pessoas para Portugal em 2023

Grupo alemão está a construir novos edifícios na unidade de componentes para automóveis em Braga e tem um novo projeto para a unidade de bombas de calor em Aveiro.

A Bosch quer contratar mais de 1.100 pessoas para Portugal em 2023. O grupo alemão tem novos projetos para as unidades de Aveiro e de Braga, segundo a informação adiantada esta terça-feira em conferência de imprensa no Porto.

Em Braga, a unidade de produção de soluções de mobilidade vai contar com dois novos edifícios, que deverão ficar prontos no terceiro trimestre de 2023. “Há duas semanas iniciámos a construção de mais 15 mil metros quadrados de área produtiva e de mais seis mil metros quadrados na área dos escritórios”, revelou o responsável pela Bosch em Portugal, Carlos Ribas.

“Se o mercado continuar como está”, poderão entrar “800 a 1000 pessoas” em Braga logo em 2023, contabilizou o gestor do grupo em Portugal, que continua a sofrer paragens de produção devido à falta de semicondutores.

Em Aveiro está em marcha um investimento total de 17 milhões de euros em instalações de teste para uma nova tecnologia de bombas de calor e acrescentar uma linha de produção, que deverá arrancar no primeiro semestre de 2023.

A ampliação das instalações de Aveiro — que também produzem esquentadores e caldeiras — permitirá a criação de 300 novos postos de trabalho em dois anos. Logo em 2023 “deverão entrar entre 100 e 150 pessoas“, com o recrutamento a ficar completo em 2024, detalhou Carlos Ribas.

Portugal “muito competitivo”

Com as 350 pessoas a contratar em 2022 e as mais de 1.100 no ano seguinte, a Bosch poderá ultrapassar a fasquia dos 7.000 funcionários em Portugal no próximo ano. O país é considerado “o mais competitivo” da Europa Ocidental pelo presidente do grupo alemão para Portugal e Espanha, Javier González Pareja.

“Todas as unidades do grupo aqui têm investigação e desenvolvimento – em parceria com universidades. Há poucos países, como Portugal, com produção e invenção na mesmo localização. Isso torna o país muito competitivo a nível internacional”, destacou Javier González Pareja, na conferência de imprensa. O líder ibérico da Bosch também assinalou a aptidão das novas contratações da empresa na área tecnológica.

Há poucos países, como Portugal, com produção e invenção na mesmo localização. Isso torna o país muito competitivo a nível internacional.

Javier González Pareja

Presidente do Grupo Bosch em Portugal e Espanha

As vendas do grupo Bosch em Portugal aumentaram 5% para 1,7 mil milhões de euros no ano fiscal de 2021. Os produtos saídos das unidades do grupo alemão em solo português foram exportados para mais de 50 países e representaram mais de 97% das vendas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Bosch quer contratar mais de 1.100 pessoas para Portugal em 2023

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião