CGTP admite greve geral dos setores público e privado

  • ECO
  • 29 Maio 2022

A secretária-geral da CGTP diz que uma paralisação conjunta depende "da evolução da situação e das respostas que forem dadas" pelo Governo e empresas.

A secretária-geral da CGTP admite a realização de uma greve geral conjunta do setor público e privado. “Não vou antecipar aquilo que não está discutido. Depende da evolução da situação e das respostas que forem dadas”, respondeu Isabel Camarinha em entrevista ao Negócios e à Antena 1.

O Governo e esta maioria absoluta do partido socialista tem de ouvir os trabalhadores. Tem de ver o descontentamento e a situação que está a ser vivida pela esmagadora maioria dos trabalhadores do país. Esta dificuldade crescente de fazerem face às necessidades, e em alguns casos às mais básicas. O Governo, que tem maioria absoluta, mas as empresas também”, afirmou a secretária-geral da CGTP.

A última greve geral a juntar público e privado foi em 2013, durante a aplicação do programa de ajustamento da troika.

“O Governo aprovou o Orçamento do Estado, que não garante de facto aquilo que consideramos que era necessário. As propostas de alteração à legislação laboral também não incluem as matérias que para a CGTP são essenciais para alterar o modelo que temos”, afirmou também Isabel Camarinha.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CGTP admite greve geral dos setores público e privado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião