Negociação coletiva cresceu 9% em 2021 e salários 3,7%, diz DGERT

  • Lusa
  • 24 Junho 2022

DGERT anuncia acréscimo de 30% no número de trabalhadores potencialmente abrangidos pela negociação coletiva, e decréscimo de 52% dos despedimentos coletivos em 2021, face a 2020.

A negociação coletiva cresceu em 2021 face a 2020, com mais 9% de Instrumentos de Regulação Coletiva de Trabalho publicados, que garantiram aumentos salariais de 3,7%, os mais elevados da ultima década, anunciou esta sexta-feira o Ministério do Trabalho.

A Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), que integra o Ministério do Trabalho, publicou esta sexta-feira os relatórios anuais sobre regulamentação coletiva e relações profissionais e salientou a evolução positiva revelada pelos dois documentos.

O relatório sobre regulamentação coletiva de trabalho publicada no ano de 2021 “destaca a recuperação da negociação coletiva, face a 2020, verificando-se um acréscimo de 30% do número de trabalhadores potencialmente abrangidos e um aumento de 9% de Instrumentos de Regulação Coletiva de Trabalho (IRCT) publicados (282 Instrumentos de Regulamentação Coletiva de Trabalho publicados e 636.241 trabalhadores potencialmente abrangidos)”.

Segundo a DGERT, entre 2015 e 2019 “houve uma tendência constante de crescimento da negociação coletiva, quer no número de IRCT publicados quer no número de trabalhadores potencialmente abrangidos, tendo sido interrompida, em 2020, devido à pandemia covid-19”.

Em 2021 retomou-se a tendência de crescimento, que se mantém nos primeiros quatro meses de 2022.

Relativamente à variação salarial real, em sede de negociação coletiva, “registou-se o valor mais alto da última década, na ordem dos 3,7%”.

A variação salarial nominal média intertabelas anualizada para o total das convenções assumiu o valor de 4%, um aumento face a 2020, retornando ao ritmo de crescimento iniciado em 2016, segundo a mesma fonte.

De acordo com a informação da DGERT, o relatório anual das relações profissionais, igualmente publicado esta sexta-feira, destaca um decréscimo de 52% dos despedimentos coletivos em 2021, face a 2020, em linha com os números de 2019, quer em número de despedimentos coletivos comunicados, quer em número de trabalhadores abrangidos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Negociação coletiva cresceu 9% em 2021 e salários 3,7%, diz DGERT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião