Assembleia de pilotos da TAP decide hoje sobre greve

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil realiza hoje uma assembleia de empresa para discutir a situação laboral na TAP e deliberar sobre o recurso a medidas de ação coletiva.

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) convocou uma assembleia para esta tarde onde será discutida a situação laboral na TAP e votada a possibilidade do recurso à greve. Nos últimos dias, quer o ministro das Infraestruturas quer a presidente executiva da companhia têm-se oposto veementemente a esse caminho.

A sessão extraordinária, marcada para as 14h30, tem como ponto único “a apreciação e discussão da situação laboral da TAP, medidas a tomar, incluindo deliberação sobre o recurso a medidas de ação coletiva“. Ou seja, o recurso à greve.

O SPAC quer que os pilotos se pronunciem sobre os próximos passos a dar depois da decisão unilateral da TAP de reduzir de 45% para 35% o corte salarial aplicado este ano aos pilotos, que fica aquém do que era por estes pretendido. A companhia aérea anunciou também que vai repor o subsídio de aterragem (uma ajuda de custo) e subir para 1.410 euros a parte do vencimento que não é sujeita a cortes.

A decisão da comissão executiva da transportadora aérea foi muito contestada pelo SPAC. “A administração da TAP quer os pilotos a voar horas extra, com corte salarial por pilotos a mais. E quando propõe esta incongruência e ela é rejeitada pelos trabalhadores, a administração sente-se no direito de aplicá-la unilateralmente. A isto, chamamos ‘terrorismo empresarial’. Disse ainda que a comissão executiva estava a “tentar empurrar os pilotos para uma greve“. A possibilidade de uma paralisação tem sido contestada pela companhia e pelo Governo.

A CEO da TAP, Christine Ourmiéres-Widener, afirmou na semana passada que uma greve teria “um impacto crítico” para o futuro da companhia aérea. “Se estamos nisto juntos, se compreendemos como o país decidiu salvar a empresa e injetar tanto dinheiro… isso é uma grande responsabilidade”, acrescentou. Na quinta-feira a comissão executiva rejeitou também a realização de um plenário de pilotos, entretanto cancelado por estes.

Uma opinião partilhada pelo ministro das Infraestruturas, que na sexta-feira esteve várias horas reunido com o SPAC. “Esperamos que não haja greves no verão”, porque “as paralisações são altamente disruptivas para a empresa e para o país”, afirmou Pedro Nuno Santos. “Creio que o país não compreenderá depois do esforço que fez para salvar a TAP, que ao segundo ano do plano de reestruturação entre numa situação de conflitualidade social”, acrescentou.

Luís Marques Mendes considerou, no seu espaço de comentário de domingo à noite, na SIC, que uma greve seria “uma imoralidade”, depois de os pilotos terem aceitado cortes salariais para viabilizar a companhia.

A assembleia empresa, que terá lugar num hotel em Lisboa, arranca à hora marcada, desde que se encontrem presentes mais de um quarto do número de associados, ou meia hora depois, com qualquer número de associados.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Assembleia de pilotos da TAP decide hoje sobre greve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião