Nas notícias lá fora: carros, Trump e Escócia

  • ECO
  • 29 Junho 2022

Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram plano que impede a venda de novos veículos movidos a gasóleo ou a gasolina a partir de 2035. Escócia insiste na independência.

Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram um plano que impede a venda de novos veículos movidos a gasóleo ou a gasolina a partir de 2035. A primeira-ministra da Escócia insiste na independência e quer um referendo a 19 de outubro de 2023. E Espanha tem o imposto sucessório mais elevado do mundo. Veja as notícias na imprensa internacional desta quarta-feira.

DW

UE aprova plano que impede venda de veículos movidos a gasóleo ou a gasolina a partir de 2035

Os 27 Estados-membros da União Europeia (UE) aprovaram na terça-feira à noite um plano que impede a venda de novos veículos movidos a gasóleo ou a gasolina a partir de 2035. A medida pretende reduzir para zero as emissões de dióxido de carbono (CO2) dos automóveis novos a partir de 2035. A pedido de alguns países, incluindo a Alemanha e a Itália, a UE concordou, contudo, em considerar dar ‘luz verde’ no futuro para tecnologias alternativas, tais como combustíveis sintéticos ou híbridos plug-in, se estas forem capazes de alcançar o objetivo de eliminar completamente as emissões de gases com efeito de estufa dos veículos. A data de 2035, embora ainda não oficial, está em consonância com aquela preconizada pelo Parlamento Europeu e pela Comissão Europeia, com quem os países terão de negociar as regras finais.

Leia a notícia completa na DW (acesso livre, conteúdo em inglês)

Bloomberg

Trump sabia que atacantes do Capitólio estavam armados

Cassidy Hutchinson, antiga assessora da Casa Branca na administração Trump, disse em Washington que o ex-Presidente foi informado que os manifestantes que protagonizaram uma tentativa de ocupação do Capitólio estavam armados mas que insistiu que os deixassem avançar.
“Deixem a minha gente passar” e marchar em direção ao Capitólio, terá dito Donald Trump pouco antes de milhares de apoiantes seus, para impedir a certificação da vitória nas presidenciais de Joe Biden, entrarem em confrontos violentos com a polícia, nos quais morreram cinco pessoas. O magnata tinha feito anteriormente um discurso inflamado perto da Casa Branca, onde encorajou os seus apoiantes a marchar em direção ao Capitólio, lançando acusações infundadas de que os democratas tinham cometido fraude eleitoral naquela votação.

Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso livre, conteúdo em inglês)

BBC

Primeira-ministra da Escócia quer referendo à independência

A primeira-ministra da Escócia insiste na independência e quer um referendo a 19 de outubro de 2023. O Governo escocês não tem autonomia total para realizar esta consulta popular e precisa de autorização do Supremo Tribunal. O referendo será apenas consultivo já que, mesmo que o sim vença, a Escócia não se tornará imediatamente independente. A legislação terá de ser aprovada pelos parlamentos de Londres e da Escócia. Mas Nicola Sturgeon está disposta a começar já a negociação com Boris Johnson. O primeiro-ministro britânico contrapõe sublinhando que a prioridade de Londres nesta altura é o combate da crise económica.

Leia a notícia completa na BBC (acesso livre, conteúdo em inglês)

Expansión

Espanha tem o imposto sucessório mais alto do mundo

O Imposto sobre Sucessões e Doações em Espanha é o mais elevado do mundo quando se tem em conta os coeficientes adicionais para os familiares afastados. Astúrias, Valência e Aragão são as regiões onde a pressão é mais elevada. Espanha sobe assim ao primeiro lugar deste ranking fiscal já que a taxa do imposto sucessório pode chegar aos 81,6%.

Leia a notícia completa no Expansión (acesso pago, conteúdo em espanhol)

Tech Advisor

Sony lança nova marca para se expandir no mercado de videojogos

A empresa japonesa Sony apresentou a nova marca de equipamentos para videojogos, a Inzone, com a qual pretende expandir a presença no setor, além das consolas PlayStation. A gama da Inzone inclui atualmente dois monitores e três auscultadores. Embora a maioria destes produtos tenha sido concebida para se adequar à PlayStation 5, também se destina ao mercado dos jogos para PC, um nicho que a Sony quer agora claramente acelerar. No final de maio, o chefe da divisão de videojogos da Sony Interactive Entertainment, Jim Ryan, disse que queria “impulsionar o crescimento” do negócio de videojogos da Sony através dos setores de PC e móvel.

Leia a notícia completa no Tech Advisor (acesso livre, conteúdo em inglês)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Nas notícias lá fora: carros, Trump e Escócia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião