Reclamações com energia aumentam 10,5% no primeiro trimestre. Setor elétrico continua a ser o mais reclamado

Nos primeiros três meses do ano, a ERSE recebeu mais de 7.500 reclamações e mais de 300 pedidos de informação. Em ambos os casos, setor elétrico foi o mais procurado.

As reclamações e os pedidos de informação relacionados com o setor energético aumentaram em 10,5% entre janeiro e março deste ano, quando comparado com os três meses anteriores.

De acordo com os dados divulgados pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), esta terça-feira, foram recebidas um total 7.586 reclamações no primeiro trimestre, sendo que março foi o período com mais queixas (2.594). Apesar deste aumento, o regulador informa que ainda se encontra longe do pico de reclamações registado no segundo trimestre de 2021, altura em que foram contabilizadas 8.758 queixas.

Segundo o boletim, o setor elétrico continuou a ser o mais reclamado no primeiro trimestre, tendo sido contabilizadas 5.322 contestações, seguindo-lhe o fornecimento dual, isto é, eletricidade e gás natural, que contabilizou 993 queixas. Na nota, a ERSE explica que “tendo em consideração o número de clientes, o fornecimento dual apresenta um indicador ligeiramente superior ao do setor elétrico, ainda que não se disponha de informação suficiente para avaliarmos se o cliente dual focou a sua reclamação mais sobre o setor elétrico ou do gás natural ou sobre ambos”.

Quanto às reclamações com o gás natural, estas totalizaram 490, enquanto as queixas relacionadas com o gás de petróleo liquefeito (GLP) situaram-se em 114.

O índice de reclamações por mil clientes no primeiro trimestre cifrou-se em 0,1 no setor elétrico, em 0,08 no gás natural e em 0,11 no fornecimento dual.

A contratação (31%), faturação (19%) e a medição (9%) foram os principais motivos que levam ao consumidor a apresentar uma queixa, principalmente, na eletricidade e no gás natural, informa a ERSE. Na mesma nota, acrescenta que a parcela referente a “outros” (43%) “engloba um conjunto de temas individualmente menos reclamados, incluindo, por exemplo, as interrupções do fornecimento, as leituras ou a mobilidade elétrica”.

Setor elétrico também suscita mais dúvidas entre consumidores

Em linha com o aumento das reclamações, subiram também os pedidos de informação (46,4%) quando comprado com os três meses anteriores, para um total de 593. Nesse período, o setor elétrico foi igualmente aquele em que os consumidores mais pediram por esclarecimentos.

Ao todo, no primeiro trimestre de 2022, a ERSE recebeu 349 pedidos de informação sobre o setor elétrico, 68 sobre o fornecimento dual e 37 relativos ao setor do gás natural, entre outros. E tal como nas reclamações, também os temas relacionados com faturação (18%), contratação (9%) e tarifas e preços (13%) foram que suscitam mais questões por parte dos consumidores de energia.

No mesmo boletim, o regulador explica que o aumento do número de pedidos de informação deveu-se à alteração de alguns procedimentos e o sistema informático de suporte ao tratamento de requerimentos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Reclamações com energia aumentam 10,5% no primeiro trimestre. Setor elétrico continua a ser o mais reclamado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião