Dia 13 de julho foi o quinto mais quente de sempre. Temperatura mais elevada foi registada em Lousã

Dia 12 foi considerado o dia mais quente do ano, mas logo lhe seguiu dia 13, o quinto mais quente de sempre, de acordo com o IPMA. Temperatura mais elevada foi registada na Lousã, com 46,3°C.

Esta terça-feira e quarta-feira foram batidos recordes de temperatura máxima. Enquanto dia 12 de julho foi considerado o dia mais quente de 2022, e dia 13 de julho foi considerado o quinto dia mais quente de sempre, de acordo com os registos do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Segundo a nota divulgada, os valores mais elevados da temperatura máxima, 46.3 °C e 46.2 °C ocorreram nas estações da Lousã e Santarém.

“O dia 12 de julho com uma temperatura média de 29,4 °C foi, até à data, o dia mais quente de 2022 (valor médio da temperatura máxima do ar de 38,7 °C e da temperatura mínima de 20,2 °C), seguido dos dias 9 e 8″, lê-se no noletim de 13 de julho do IPMA. “O dia 13 de julho foi o quinto mais quente, tendo sido ultrapassados os anteriores maiores valores da temperatura máxima para este mês, em 35 estações”.

A informação disponibilizada pelo IPMA dá conta de 13 extremos de temperatura atingidos nas estações da Lousã (46.3 °C), Ansião (44.7 °C), Mirandela (43.8 °C), Monção (42.7 °C), Coimbra/Bencanta (42.6 °C), Proença-a-Nova (42.2 °C), Chaves (41.8 °C), Moimenta da Beira (41.7 °C, Bragança (41.0 °C), Macedo Cavaleiros (41.0 °C), Figueira da Foz (41.0 °C), Carrazeda de Ansiães (39.8 °C) e Porto/PR (38.9 °C). O valor máximo registado foi em Amareleja, no Alentejo, em 2003, altura em que as temperaturas atingiram os 47.3 °C.

Segundo o IPMA, ocorreram esta quarta-feira valores de temperatura máxima do ar iguais ou superiores a 35°C em cerca de 90% do território e iguais ou superiores a 30°C em praticamente todo o território (exceto Cabo Carvoeiro, Sagres e Fóia).

Quanto à temperatura mínima do ar, no dia 13 de julho, foram registados valores iguais ou superiores a 25°C em 10 estações e iguais ou superiores a 20°C (noites tropicais) em cerca 75% das estações. O valor mais alto da temperatura mínima, este mês, foi 28,7°C, registado em Portalegre no dia 9 de julho.

O IPMA prevê uma descida gradual dos valores da temperatura a partir desta quinta-feira, ainda com a ocorrência de noites tropicais e dias quentes, muito quentes e excessivamente quentes até dia 17.

Esta quinta-feira, face às previsões do IPMA, o primeiro-ministro anunciou que o estado de contingência irá ser prolongado até domingo, 17 de julho, prevendo-se nessa altura uma redução das temperaturas. Ainda assim, segundo os dados da entidade, as temperaturas médias continuarão acima dos 30 graus.

“Saímos do estado de contingência mas não podemos deixar de ter o estado de preocupação”, alertou António Costa.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Dia 13 de julho foi o quinto mais quente de sempre. Temperatura mais elevada foi registada em Lousã

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião