Trump recusa-se a responder a inquérito por suspeitas de fraude financeira

O ex-presidente do EUA descreve a investigação do Procuradoria-Geral de Nova Iorque como “a maior caça às bruxas na história dos Estados Unidos”.

O antigo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recusou-se esta quarta-feira a responder às questões colocadas pelo inquérito da investigação da Procuradoria-Geral de Nova Iorque, levada a cabo por Letitia James, avançou a Agence France-Presse.

Donald Trump referiu não ter outra escolha a não ser invocar a quinta emenda à constituição dos Estados Unidos, que permite o direito ao silêncio como forma de prevenir a autoincriminação. O antigo presidente dos EUA admitiu o recurso ao silêncio sob conselho do seu advogado.

Donald Trump reiterou ainda que a sua família, a sua empresa, e as restantes pessoas à sua volta, estão a ser alvo de “uma caça às bruxas sem fundamento e motivada por razões políticas, que conta com o apoio de advogados, procuradores, e os média das notícias falsas”, pelo que não teve outra escolha senão o recurso ao silêncio, justificou o antigo presidente.

O ex-Presidente norte-americano foi interrogado em Nova Iorque no âmbito de uma investigação cível a suspeitas de fraude financeira nos negócios da Organização Trump, em particular no ramo imobiliário.

Trump utilizou a sua rede social, a Truth Social, para anunciar o interrogatório que acontece dois dias depois das buscas do FBI (polícia federal norte-americana) à sua residência em Mar-a-Lago, na Florida. Estas buscas foram realizadas ao abrigo de uma investigação federal sobre documentos oficiais que terão sido levados para a propriedade do ex-Presidente e não estão relacionadas com este processo cível.

Na mensagem publicada na Truth Social, Trump descreve a investigação do Procuradoria-Geral de Nova Iorque como “a maior caça às bruxas na história dos Estados Unidos”. “A minha grande empresa e eu estamos a ser atacados por todos os lados”, salientou o ex-Presidente republicano (2017-2021).

O inquérito de Nova Iorque está a ser conduzido pela procuradora-geral do estado, Letitia James, que Trump descreve como uma “racista” na sua publicação, que conclui exclamando “República das Bananas!”.

O processo conduzido por Letitia James procura determinar se a Organização Trump inflacionou o valor dos seus ativos de forma a obter empréstimos bancários e, em paralelo, reduziu esse mesmo valor com a intenção de pagar menos impostos. A investigação é cível, pelo que, independentemente das conclusões, não poderá apresentar acusações criminais contra a família Trump.

(atualizado às 16h49 com mais info)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Trump recusa-se a responder a inquérito por suspeitas de fraude financeira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião