Euribor a 12 meses ultrapassa 2% pela primeira vez numa década

Taxa Euribor a 12 meses já está acima dos 2%, no rescaldo da decisão do Banco Central Europeu de subir os juros na Zona Euro. Desde dezembro de 2011 que não se fixava acima dessa fasquia.

As taxas Euribor, usadas como indexante na maioria dos créditos à habitação, subiram esta sexta-feira e fixaram novos máximos, no rescaldo da decisão inédita do Banco Central Europeu (BCE) de subir os juros diretores na Zona Euro em 75 pontos base, para controlar a inflação. A taxa a 12 meses ultrapassou a fasquia dos 2% pela primeira vez em mais de uma década.

No prazo de 12 meses, a Euribor subiu esta sexta-feira 0,112 pontos, para 2,015%, fixando-se num novo máximo. Desde dezembro de 2011 que a taxa não estava acima dos 2%, sendo esta uma notícia desanimadora para as famílias portuguesas que pagam crédito da casa.

Após ter subido em 12 de abril para 0,005%, pela primeira vez positiva desde 5 de fevereiro de 2016, a Euribor a 12 meses está em terreno positivo desde 21 de abril. A média da Euribor a 12 meses avançou para 1,249% em agosto, após médias de 0,992% em julho e de 0,852% em junho.

Euribor a 12 meses supera 2%

Histórico até 8 de setembro

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, subiu também, para 1,442%, mais 0,088 pontos do que do dia anterior, batendo um novo máximo.

A média da Euribor a seis meses em agosto subiu para 0,837%, contra 0,466% em julho e 0,162% em junho. A Euribor a seis meses esteve negativa durante seis anos e sete meses (entre 6 de novembro de 2015 e 3 de junho de 2022).

No prazo dos três meses, a Euribor registou, pela 18.ª sessão consecutiva, novo máximo, nos 0,934%, mais 0,098 pontos do que na quinta-feira. Esta taxa entrou em terreno positivo em 14 de julho, pela primeira vez desde abril de 2015. Esteve negativa entre 21 de abril de 2015 e 13 de julho último e a média subiu para 0,395% em agosto, contra 0,037% em julho e -0,239% em junho.

As Euribor começaram a subir mais significativamente desde 4 de fevereiro, depois de o BCE ter admitido que poderia subir as taxas de juro diretoras este ano devido ao aumento da inflação na zona euro e a tendência foi reforçada com o início da invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro.

Na reunião de política monetária realizada em 21 de julho, o BCE aumentou em 50 pontos base as três taxas de juro diretoras, a primeira subida em 11 anos, com o objetivo de travar a inflação. Esta quinta-feira, dia 8, o BCE decidiu aumentar em 75 pontos base as suas três taxas de juro diretoras, o segundo aumento consecutivo, então, deste ano.

No final da reunião, a presidente do BCE, Christine Lagarde, disse que o aumento histórico de 75 pontos base nas taxas de juros não é a “norma”, mas salientou que a avaliação será reunião a reunião.

A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro diretoras BCE. As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses registaram mínimos de sempre, respetivamente, de -0,605% em 14 de dezembro de 2021, de -0,554% e de -0,518% em 20 de dezembro de 2021. As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Euribor a 12 meses ultrapassa 2% pela primeira vez numa década

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião