Equipa da TELLES desbloqueia Programa de Renda Acessível em Lisboapremium

A equipa de direito público da TELLES, composta por quatro advogados, assessorou o município de Lisboa no recurso que vai permitir mobilizar no setor imobiliário 708 milhões de euros de investimento.

Uma equipa de quatro advogados da TELLES foi o que foi necessário para assessorar o município de Lisboa na reversão, junto do Tribunal de Contas, da decisão daquele tribunal que bloqueava o Programa de Renda Acessível em Lisboa.

Coordenada pelo sócio responsável pela área de direito público, Pedro Almeida e Sousa e constituída pelos advogados Pedro Matias Pereira, Rui Mesquita Guimarães e Carolina Ferreira da Silva, este processo vai permitir “criar em Lisboa um conjunto de 7.000 fogos, em 107 edifícios e mobilizar um total de 708 milhões de euros de investimento total privado”, nota Pedro Almeida e Sousa, sócio da TELLES responsável pela equipa de direito público.

Da esquerda para a direita: Pedro Almeida e Sousa, Rui Mesquita Guimarães, Pedro Matias Pereira e Carolina Ferreira da Silva.

“No momento inicial do processo, consubstanciado na elaboração do recurso, num prazo muito curto de tempo, foi necessária uma dedicação quase exclusiva desta equipa, atenta a complexidade do processo de concessão que estava em causa, porque parte de um projeto muito estruturado e refletido do cliente e também muito escrutinado pelos vários órgãos e especialistas envolvidos”, explicaram à Advocatus o sócio Pedro Almeida e Sousa e o associado coordenador Pedro Matias Pereira.

Segundo os advogados, nesta fase inicial do processo foi preciso compreender o “modelo subjacente em toda a sua extensão para poder, com base numa análise abrangente e sem falhas, apresentar uma posição clara e esclarecida ao Tribunal de Contas sobre as questões que eram suscitadas”.

A assessoria jurídica contou com a intervenção essencialmente da equipa de direito público do escritório de advogados. Ainda assim, Pedro Almeida e Sousa e Pedro Matias Pereira contaram à Advocatus que os temas suscitados no processo exigiram também diversas especialidades da área, como contratação pública, acompanhamento de parcerias público-privadas, direito processual, teoria geral do direito, ou até imobiliário e urbanismo.

Para a equipa o objetivo foi atingido, alcançar “a concessão do visto prévio à operação prevista pelo município para a Rua de S. Lázaro, em Lisboa, ultrapassando supostas ilegalidades que fundamentaram a recusa de visto e que agora foi concedido sem qualquer recomendação”.

“Esta decisão permitirá iniciar aquela operação de renda acessível, o correspondente investimento privado e concretizar a política pública do município de Lisboa para a disponibilização de habitações com renda acessível”, assegura a firma.

Ainda assim, foram precisos vários meses de trabalho até alcançarem o objetivo final. A decisão inicial, de recusa do visto, foi dada em fevereiro de 2019 e só ficou concluído o processo em abril de 2020.

“Durante este período foi necessário acompanhar as vicissitudes do processo, mas também as incidências que, do ponto de vista político-legislativo, foram surgindo a respeito de alguns dos temas que eram tratados, como era o caso da aplicação às autarquias do regime das parcerias público-privadas do Estado”, notam os advogados da TELLES.

Foi necessário acompanhar as vicissitudes do processo, mas também as incidências que, do ponto de vista político-legislativo, foram surgindo a respeito de alguns dos temas que eram tratados, como era o caso da aplicação às autarquias do regime das parcerias público-privadas do Estado.

Pedro Almeida e Sousa e Pedro Matias Pereira

Advogados da TELLES

À Advocatus, o sócio e o associado coordenador asseguram que o primeiro desafio neste caso foi dominar todos os factos, com relevância jurídica e económica, inerentes ao processo de concessão, de forma a compreenderem o modelo “inovador” adotado pelo cliente para prosseguir uma política de habitação pública.

“Foi um desafio não só porque era inovador e, nessa medida, complexo, mas porque tivemos que o compreender com toda a precisão e profundidade, num muito curto espaço de tempo, para podermos apresentar uma posição tão institucionalmente correta quanto juridicamente rigorosa”, explicam.

Mas mais desafios se impuseram à equipa de direito público da TELLES. A desconstrução das posições do Tribunal de Contas exigiu um estudo “a fundo” das opções que marcaram certas escolhas político-legislativas nos regimes que o Tribunal entendia aplicáveis. “Necessidade comprovada, aliás, pelas inovações legislativas que foram produzidas no último ano com incidência direta nos temas que eram discutidos, nomeadamente a relativa à aplicação do regime das parcerias público-privadas do Estado”, acrescentam.

“Este último ponto também constituiu um desafio de atualização do processo, com a necessidade de fazer evoluir a posição jurídica e institucional do Município às alterações legislativas que, sobre os temas suscitados, foram surgindo”, asseguram Pedro Almeida e Sousa e Pedro Matias Pereira.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Equipa da TELLES desbloqueia Programa de Renda Acessível em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião