Plataforma IQ é um passo na modernização da advocaciapremium

A Kennedys lançou a Plataforma QI que pretende inovar tecnologicamente o setor. O sócio Paulo Almeida prevê que a médio/longo prazo o principal desafio da firma seja reforçar a sua presença no país.

Tem uma reclamação processual a fazer? Agora pode resolver os seus problemas através da Plataforma IQ, a mais recente aposta tecnológica do setor da advocacia lançada pela sociedade de advogados Kennedys.

Esta plataforma suporta um conjunto de ferramentas inteligentes que fazem a gestão de processos de reclamações, sinistros e ações, do mercado segurador, e não só.

“Essas ferramentas assentam na combinação de machine learning, inteligência artificial, processamento de linguagem corrente, análise de dados e processos de trabalho. A ideia é facultar aos nossos clientes empresarias, soluções à medida, que possam ajudar nos seus processos organizativos, com elevada poupança de tempo, dinheiro e melhores resultados, contribuindo para a otimização de custos com serviços de assessoria jurídica”, explica Paulo Almeida, sócio da Kennedys responsável pelo escritório de Lisboa.

Paulo Almeida, sócio da KennedysD.R.

Este novo serviço foi desenvolvido pela Kennedys IQ, que é a entidade criada pela firma para liderar a área de inovação e tecnologia. “Esta nova estrutura conta hoje com 30 pessoas e integra a pré-existente Kennedys Cognitive Computing, que tem a sua base operacional na Índia”, explica o sócio.

Na busca por uma solução inovadora, surgiu a ideia da Plataforma IQ. Paulo Almeida apontou a “redução de custos, sem deixar de proporcionar o apoio jurídico” como o principal mecanismo deste mecanismo.

Têm sido, portanto, os nossos clientes os grandes impulsionadores desta nossa aposta na inovação e desenvolvimento, que há alguns anos atrás não se imaginava como possível no mundo da advocacia”, reforça o sócio.

Têm sido, portanto, os nossos clientes os grandes impulsionadores desta nossa aposta na inovação e desenvolvimento, que há alguns anos atrás não se imaginava como possível no mundo da advocacia.

Paulo Almeida

Sócio da Kennedys

Em 2019, a Kennedys cresceu 11% no número de advogados em todas as jurisdições que marcam presença, o que se traduz também um aumento ao nível da faturação e na confiança dos seus clientes, segundo Paulo Almeida.

Claro que queremos que os nossos clientes continuem a usar os nossos serviços jurídicos, mas o que queremos também, com este investimento em inovação, e isto é o ponto central, é que os clientes e outros operadores de mercado nos procurem quando realmente necessitam, automatizando tarefas que podem ser deixadas à inteligência artificial, concentrando, assim, nos nossos advogados os assuntos mais importantes e complexos, que não podem prescindir do apoio de um advogado”, assegura.

À Advocatus, o sócio da Kennedys refere que o feedback dos clientes tem sido “extremamente positivo”.

Desafio atual é o Covid-19

Oito meses depois da integração do escritório N. Maldonado Sousa & Associados na Kennedys, Paulo Almeida reflete que este passo se deu de “forma muito fácil e tranquila”, fruto da visão de negócio e advocacia que ambas partilhavam.

“A vinda do Nuno Maldonado Sousa para a Kennedys, juntamente com a sua equipa, resultou num reforço assinalável das nossas capacidades na área do societário e comercial, bem como imobiliário e laboral”, explica o sócio.

Nuno Maldonado Sousa, sócio da KennedysD.R.

Após 11 anos a operar em Portugal, a experiência tem sido “francamente positiva”, no entendimento do líder português.

“A possibilidade de ser sócio duma firma inglesa e ao mesmo tempo global, tem sido extremamente enriquecedora e desafiante, sobretudo ao nível do tipo de prática que temos vindo a desenvolver, mas também quanto à integração na estrutura institucional internacional. Hoje o escritório português está plenamente consolidado e, sem dúvida, apostado em crescer”, nota Paulo Almeida à Advocatus.

Com às áreas do mercado segurador e ressegurador mundiais e ainda de corporate e comercial como o principal motor de crescimento da sociedade, a pandemia do Covid-19 e o consequente trabalho remoto é o principal desafio da Kennedys.

A nossa infraestrutura informática provou estar à altura e estamos a conseguir dar resposta aos nossos clientes, praticamente como anteriormente fazíamos. Neste momento só nos resta esperar adaptar-nos o melhor possível a esta terrível crise e tentar superar este momento, assim como os tempos não menos difíceis que, por certo, se lhe seguirão”, refere o sócio da Kennedys responsável pelo escritório de Lisboa.

Sociedade de advogados KennedysD.R.

A médio/longo prazo, Paulo Almeida crê que o principal desafio em Portugal seja reforçar a sua presença e crescer.

Distinguida em setembro de 2019, pelo Financial Times, no FT Innovative Lawyers Europe, com o prémio “Innovation in the business of law: New products and services”, Paulo Almeida não sabe se o prémio se vai manter, mas de uma coisa está seguro.

“Uma coisa posso garantir, a aposta e investimento em inovação e desenvolvimento que a Kennedys decidiu fazer, está para ficar e é um caminho que continuaremos a trilhar, em estreita colaboração com os nossos clientes, sempre com o objetivo de os ajudar no seu negócio, encontrando as melhores soluções para os seus problemas jurídico-legais”, conclui Paulo Almeida.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Plataforma IQ é um passo na modernização da advocacia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião