João Carreira, da Rural Move: “É possível trabalhar, efetivamente, de onde quisermos”

Pensada para facilitar o processo de mudança a trabalhadores remotos, a Rural Move quer ter impacto nas vidas deles mas, sobretudo, combater a baixa densidade populacional nos territórios rurais.

Por um lado, um problema: existem, em Portugal, 165 municípios que são territórios de baixa densidade em Portugal. Por outro, uma nova necessidade: a vontade e a possibilidade, cada vez mais palpável e comum, de sair dos grandes centros urbanos e, trabalhar remotamente, noutro lugar qualquer. Foi a pensar na resolução deste desafio que a Rural Move assentou os seus primeiros passos.

“Tudo surgiu com um propósito social: o nosso primeiro objetivo era criar um impacto relevante na questão do despovoamento dos territórios. Somos um projeto de impacto social precisamente nessa vertente de ligação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: fortalecer as comunidades, reduzir as desigualdades entre os vários pontos do país”, assinala João Carreira, ex-KPMG, sobre uma ideia que surgiu no canal de Slack Tech4Covid — onde centenas de empreendedores desenvolveram projetos tecnológicos no país que permitissem ajudar no combate à Covid-19. Na altura, em abril, foi desafiado por Fernando Belezas, que não conhecia, a trabalhar num projeto comum.

“Queremos levar trabalhadores remotos para o interior do país, para os territórios rurais e de baixa densidade”, explica João Carreira, no mais recente episódio do podcast “Start now. Cry later”.

Lançada em julho do ano passado, a plataforma da Rural Move recebeu mais de 90 contactos de pessoas interessadas em mudar de localização e curiosas por saber que ajuda a startup poderia dar-lhes.

“Começámos a desenvolver a solução e pensámos que o que faria sentido era uma plataforma que faz o match entre os municípios e os trabalhadores remotos disponíveis para irem para esses municípios. Conhecendo quais as políticas dos vários municípios e o que tem surtido efeito, e quais são as principais dificuldades”, recorda João. Para arrancar, foram selecionados três municípios, onde a Rural Move está a desenvolver projetos-piloto: Miranda do Douro, em Trás-os-Montes, por onde começaram, Penela e, por último, São João da Pesqueira, na região do Douro. O plano é, consideram na Rural Move, uma relação win-win: tanto para os municípios como para os nómadas digitais.

“Temos uma plataforma que poderá atrair trabalhadores remotos e, assim, novos residentes para o território. Podemos canalizar essa procura, promovendo o município — se eles forem nossos parceiros –, identificando na plataforma quais são as principais valências do município, o que oferece em termos de serviços, de espaços de trabalho, de ferramentas de lazer, infraestruturas: tudo o que pode ser determinante para uma pessoa poder querer fixar-se num território desses. O nosso objetivo final é fixar as pessoas que conseguimos levar“, assinala João, reforçando: “É possível trabalhar, efetivamente, onde quisermos. E se é o ambiente rural que faz sentido para nós, há ferramentas que o permitem fazer. É só uma questão de vontade e de haver projetos como o nosso, que possam acelerar o processo.”

Pode ouvir o episódio completo “Go remote, stay close” aqui:

O podcast “Start now. Cry later” é um projeto da jornalista Mariana de Araújo Barbosa e da Startup Portugal, que conta com o apoio da revista Pessoas. Pode ouvir os episódios e seguir o projeto aqui.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

João Carreira, da Rural Move: “É possível trabalhar, efetivamente, de onde quisermos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião