Marcas alistam-se contra Putin. “Já não é possível ficar indiferente”premium

As marcas já não podem ficar em cima do muro, mesmo perante acontecimentos políticos. Os consumidores assim o exigem. A vaga de boicotes à Rússia cresce todos os dias.

A lista de empresas que anunciam o corte de relações comerciais com a Rússia cresce de dia para dia, somando ao impacto das sanções já decididas pelo Ocidente. As marcas já não podem ficar em cima do muro, mesmo perante acontecimentos políticos. Hoje representam valores e os consumidores exigem que tomem uma posição. Não o fazer é um risco, explicam especialistas em marketing. Os russos não vão poder ver nas salas de espetáculos as próximas estreias mundiais de filmes da Disney e da Sony Pictures ou o novo The Batman da Warner Bros. Quando terminarem os stocksno país, vão também deixar de poder comprar produtos da Apple, veículos da BMW, Volvo, Jaguar, Land Rover, Aston Martin ou Honda e motas da Harley-Davidson. A Ford, que também suspendeu as exportações, expressou "uma profunda

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos