A CGD que queremos: Pública, bem administrada e transparente

Queremos um banco público, sustentável, como uma administração competente e temos que pagar de acordo com o mercado. Com a exigência declarativa da nova administração.

A CGD encontrava no fim de 2015 dois desafios fundamentais, com um contexto diferente. Mas vamos primeiro ao contexto. É sabido que a nova diretiva da resolução bancária europeia (BRRD) trazia novas restrições em 2016. Essas novas restrições emergiam do fim do período derrogatório quanto à elegibilidade dos credores seniores para efeitos de recapitalização interna e, dentro destes, os titulares de depósitos superiores a 100 mil euros. Mas a este enquadramento regulatório somou-se um outro: a supervisão bancária das quatro mais instituições bancárias portuguesas passou da alçada do Banco de Portugal para o Mecanismo Único de Supervisão do BCE, e dentro deste o exercício de escrutínio a análise dos curricula e da idoneidade dos administradores da CGD.

Ora, é neste contexto que emergem então os dois desafios:

  1. A CGD tinha um desvio significativo no seu Plano de Capitalização (quase três mil milhões de euros), ao abrigo do qual tinha recebido um volumoso aumento de capital e da emissão de capital contingente (os famosos CoCos) e isso obrigava a que o acionista Estado tivesse que tomar uma decisão difícil de novo aumento de capital ou de privatização, ainda que parcial, desta entidade bancária;
  2. A administração liderada pelo Dr. José de Matos chegava ao fim do seu mandato, e era, como foi, necessário nomear uma nova administração que respondesse a esta circunstância, mas que antes de mais pudesse passar no crivo do BCE.
    Neste quadro, e cumprindo os seus compromissos eleitorais, o Governo toma uma opção de fundo: a CGD continuará a ser 100% pública. Muitos podem discordar – não é o meu caso –, mas esta opção levava a que o Governo tivesse que fazer passar em Bruxelas um plano que suprisse o desvio do Plano de Capitalização não violando as leis da concorrência e encontrar uma administração que passasse no BCE.

O primeiro desafio, neste contexto, era decisivo; porque colocava em causa o próprio modelo de negócio da CGD e a sua estrutura acionista. Tinha que ser suportado pelo erário público numa lógica de negócio bancário, sem distorcer a concorrência e demonstrando a adequada remuneração do capital investido. Este desafio foi debelado com êxito. E foi uma das notícias mais importantes (e boa) que a economia portuguesa recebeu neste ano 2016.

Daí que substituir a administração da CGD tivesse que ser um processo (quase) paralelo com a negociação deste novo Plano de Negócios. Só a sua configuração final traria as condições de exercício do mandato da nova administração. E aí o Governo tinha que ultrapassar com êxito o segundo desafio: uma administração que respondesse às exigências de escrutínio do BCE. A questão salarial é neste domínio importante.

Não podemos ter administradores idóneos – e entenda-se no quadro do BCE – sem mostrar em Frankfurt curricula com experiência no setor bancário e com uma vasta experiência de gestão. Não há outra forma ter essa experiência sem recorrer diretamente ao mercado e, neste caso, pagando salários competitivos com o mercado.

É uma pura demagogia esperar que a CGD tenha administradores idóneos, com experiência e curriculum, e depois querer pagar salários fora do mercado. Este desafio só seria ultrapassado mostrando gente competente, com experiência no setor, e com capacidade de gestão e não, como noutras circunstâncias, ‘correias-de-transmissão’ partidária, ‘baratinhas’, mas impreparadas e incapazes de passar no escrutínio exigente de idoneidade do BCE.

E devo sublinhar: não é o salário do Dr. António Domingues que está em causa; mas antes de mais as competências e experiências que o seu curriculum, e das pessoas que o acompanham, que são cruciais para ter um banco público com uma administração idónea segundo as regras da ‘arquitetura’ de supervisão europeia.

Ora, se o processo era difícil, ele foi no essencial ultrapassado com grande competência e exigência pelo Governo. É por isso que a questão da declaração de rendimentos traz uma ‘sombra’ desnecessária e até pouco consistente com o propósito do Governo (e do PS).

Nós queremos um banco público, sustentável, como uma administração competente e, por isso, temos que pagar de acordo com a exigência do mercado; mas por ser público, tem uma exigência que não é possível eliminar: a transparência e a obrigatoriedade declarativa aquando do início de funções. E o Dr. António Domingues prestava um bom serviço à CGD se desde já percebesse que apesar do decreto-lei o retirar do perímetro do Estatuto do Gestor Público, não o subtrai à obrigatoriedade declarativa que consta da Lei 4/83 de “Controle Público da Riqueza dos Titulares de Cargos Políticos”.

E mesmo que assim não fosse, o bom senso também o obriga. E esse – o bom senso – não é escrutinado pelo BCE, mas por todos os portugueses. Que são os donos da CGD.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A CGD que queremos: Pública, bem administrada e transparente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião