Bloco: CGD não pode ser liderada por quem não demonstra transparência sobre rendimentos

  • Lusa
  • 28 Outubro 2016

Catarina Martins disse que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) não pode ser gerida por quem não cumpra "deveres de transparência sobre os seus rendimentos", numa alusão à atual polémica no banco.

 

“Não pode estar à frente da CGD quem não quiser cumprir deveres de transparência sobre os seus rendimentos”, realçou Catarina Martins, que falava aos jornalistas em Bragança, à margem de uma visita a uma unidade hospitalar, encontro que integra as jornadas parlamentares do partido.

Toda a situação da CGD “é lamentável”, acrescentou a bloquista, numa altura em que se discute os salários da administração, nomeadamente do presidente executivo António Domingues, e uma eventual não apresentação deste da sua declaração de rendimentos como forma de escrutínio público.

“Não há razão nenhuma para quem administra o banco público ter menos obrigações de transparência que um titular de cargos políticos”, sustenta Catarina Martins.

Domingues, vincou a dirigente, não tem “condições para não apresentar” os seus rendimentos e a origem destes.

“A CGD é o banco público, o maior banco português, um banco em que todos confiamos e que devia ser notícia por boas razões”, continuou a líder do BE.

Admitindo uma “divergência” com o Governo sobre a gestão desta matéria, Catarina Martins foi mais longe: “Não devem ser os banqueiros a chantagear o Estado sobre as condições em que estão ou não a administrar o banco público”.

E prosseguiu: “Pagar salários milionários e dar todo o privilégio aos banqueiros não garantiu boa gestão de nenhum”.

Neste ponto, o BE apresentará em breve “alternativas” na procura de maior transparência nos escolhidos para o banco público, adiantou a coordenadora do partido.

O PSD anunciou hoje também querer fixar na lei os critérios da “razoabilidade e adequação” nos salários dos gestores públicos, num diploma que visa ainda garantir que a administração da CGD fica obrigada aos deveres de transparência.

Sobre este texto, a líder bloquista disse que “não resolve nada” e passa por um regressar “à lei antiga”.

“No passado já tínhamos salários milionários e problemas de responsabilização”, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloco: CGD não pode ser liderada por quem não demonstra transparência sobre rendimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião