A reputação começa de dentro para fora

  • Liliana Cardoso
  • 20 Abril 2019

Muito se fala neste tema e muitas estratégias são pensadas e implementadas mas, se não tiverem o contributo dos colaboradores e não forem baseadas em autenticidade, tendem a não ser bem-sucedidas.

As empresas são um todo, bem mais do que a soma das partes. Todos têm responsabilidades devendo agir para o bem comum, independentemente da área ou função. O employer branding não é exceção a esta responsabilidade e é imperativo na construção da primeira impressão, interna e externamente, como um empregador atrativo.

Muito se fala neste tema e muitas estratégias são pensadas e implementadas mas, se não tiverem o contributo dos colaboradores e não forem baseadas em autenticidade e transparência, tendem a não ser bem-sucedidas. Uma boa estratégia de employer branding tem de ter por base a participação de todos para que possam atuar como embaixadores da marca. Para isso, têm efetivamente de reconhecer o seu empregador como o melhor.

O processo de construção de uma boa reputação começa de dentro para fora e a todos os níveis. Toda a comunicação, interna e externa, deve estar alinhada, valores e missão devem ser claros, a transparência, ética e fairness devem ser norma, o processo de recrutamento honesto para afastar falsas expectativas, as redes sociais deverão mostrar o dia-a-dia dos colaboradores com testemunhos reais e poderão ainda existir outras iniciativas onde se podem partilhar artigos, histórias e experiências.

Por outro lado, as empresas devem perder o medo da partilha de conhecimento e boas práticas. Claro que a competitividade feroz tende para o oposto mas é cada vez mais comum (e certo!) existir uma mentalidade de partilha, acedendo às melhores práticas e tendências do mercado, quando se percebe a clara vantagem de pensarmos num futuro melhor em colaboração.

Empresas tecnológicas, e principalmente startups, têm tido um papel fulcral nesta mudança de mentalidades pois servem como casos de estudo e exemplos para as indústrias consideradas mais conservadoras.

Nos dias de hoje, não basta ter um sistema de compensação atrativo para se ganhar a guerra pelo talento. As empresas têm de querer ser mais para estar na linha da frente. Isso consegue-se com estratégias diferenciadoras.

Mais do que nunca, ações de saúde e bem-estar, responsabilidade social, diversidade e inclusão, eventos e meetups interessantes, forte presença no ecossistema, escritórios que promovam a criatividade e cooperação com perks inovadores são alguns fatores diferenciadores para construir uma boa marca como empregador.

Ao melhorar a experiência do colaborador, adotando uma abordagem holística através do employee life cycle, estaremos a melhorar a marca da empresa como empregador!

*Liliana Cardoso é P&O da Zalando em Portugal

**Esta opinião foi publicada na revista Pessoas de março/abril na secção Frente a frente, que contrasta opiniões de duas pessoas diferentes. Neste caso, sob o tema “Employer branding”.

  • Liliana Cardoso

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A reputação começa de dentro para fora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião