Beleza? Saúde é (funda) mental

  • Mariana de Araújo Barbosa
  • 5 Junho 2020

Em contexto de crise, mais do que nunca, devemos olhar para a saúde mental como “o” benefício: tão fundamental para os trabalhadores como para as empresas.

Escreveu o poeta Vinicius de Moraes que beleza é que é fundamental. Discordo. A saúde mental é que é. A falta dela tem muitos nomes: absentismo, presentismo, baixa produtividade, burnout. Pode manifestar-se na baixa motivação, no desânimo, na pouca ou nenhuma vontade de trabalhar logo de manhã. E, à parte todas as suas manifestações, as suas consequências são medidas a curto, médio e longo prazo: primeiro na pessoa, doente e, tantas vezes incapaz de reagir; depois, nas pessoas que a rodeiam; por fim, na comunidade: sociedade e, claro, empresas, incluídas.

Por ser ainda, um tabu, a saúde mental é encarada como um “extra”, uma espécie de bónus que se dá aos trabalhadores através de aulas de ioga ao final da tarde, serviços de cuidado e beleza e, até, atividades de team building fora das quatro paredes do escritório. E que nem sabemos bem como prevenir.

A saúde organizacional está associada a um desempenho financeiro cerca de 2,2 vezes superior à média e estudos científicos demonstram que os benefícios gerados por programas de promoção de saúde psicológica no trabalho, durante um ano, podem variar entre os 81 cêntimos e os 13 euros, por cada euro gasto nestes programas. No entanto, Portugal tem, a nível europeu, uma das taxas de mal-estar mais altas. Temos a maior taxa de consumo de medicamentos. E temos, mais do que tudo, um estigma face ao tema, sublinham os especialistas.

Nesta edição da Pessoas, neste contexto em particular, fomos conhecer projetos e percursos de gente como nós: moradores num mundo incerto, com um ritmo acelerado que nos distrai e uma espuma de dias que, tantas vezes, não nos permite olhar para dentro e perceber que a saúde vem mesmo daí.

Pode assinar a revista Pessoas aqui.

Na loucura destes dias – nos Manicómios de cada um -, temos de encontrar o equilíbrio que nos permita viver. E que, dessa vida, o trabalho nos faça bem. Afinal, como na história da Alice no País das Maravilhas, “não somos todos loucos, aqui?”

P.S.: A capa desta revista é uma saudável parceria entre os designers da Pessoas e o projeto Manicómio, cuja história é contada em algumas das próximas páginas. Obrigada pela vossa ajuda e, sobretudo, pela dignidade que restituíram aos vossos artistas.

  • Mariana de Araújo Barbosa

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Beleza? Saúde é (funda) mental

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião