“Como avalia a sua vida?” ou, tão simplesmente, reflexões ao sol

  • Carla Caracol
  • 17 Setembro 2019

As férias são um período tipicamente de menor stress e ansiedade, com maior disponibilidade – para nós e para os outros.

As férias são momentos, não raras vezes, pautados por reflexões que nos conduzem através dos meses antecedentes – com balanço efetivo de todas as conquistas e desaires – e de intenções que irão nortear os meses futuros. Normalmente, este posicionamento pessoal mais consciente tem uma carga emocional intensa, permitindo-nos sentir o que nos motiva entusiasticamente para a ação.

As férias são um período tipicamente de menor stress e ansiedade, com maior disponibilidade – para nós e para os outros – em que temos direito, de quando em vez, ao luxo do silêncio que cala todos os ruídos externos e que dá voz ao nosso inconsciente.

É um balanço feito com o coração, salpicado de vitamina D, que nos enche de esperança e que alimenta a vontade de fazer mais e de ser melhor, definindo objetivos, raramente reduzidos a escrito e com planos de ação a operacionalizar, pelo que, com a azáfama do regresso ao trabalho, frequentemente, deixamos o outono antecipar-se nas nossas vontades e permitimos o cair da folha precoce por mais um ano.

Nesta pausa de 2019, pensava precisamente sobre isso… em como, ano após ano, os balanços e as intenções são feitos, sentindo, recorrentemente, necessidade de fazer um reset ou apenas um restart, mas nem sempre com resultados concretos, questionando-me o porquê de isso acontecer.

Foi neste contexto que me lembrei de um livro que li em tempos, cujo título é uma questão curta e simples, mas suficientemente complexa para conseguir dar uma resposta breve e verdadeira: “como avalia a sua vida?”.

O autor Clayton Christensen, sem subterfúgios semânticos, relembra que os nossos resultados dependem, em boa parte, de nós mesmos, enquanto decisores pessoais, e da importância de ter um propósito, vivo e vivido, de vida, que facilita a alocação dos nossos mais preciosos e escassos recursos: tempo, talentos e energia.

Estas breves pausas podem (e devem) ser assim críticas para avaliar se efetivamente o nosso propósito está presente na conduta quotidiana e se, consequentemente, os nossos “bens” finitos são utilizados de forma proporcional ao que mais valorizamos… pois necessitamos ser flexíveis em quase tudo na nossa vida, exceto nos nossos princípios.

Esta reflexão é essencial para todos os que comungam da responsabilidade de gestão, “a mais nobre das profissões (…) desde que bem praticada”, arguindo Christensen que é essencial humildade para aprender constantemente, proporcionando múltiplas formas de ajudar outros a aprender e a crescer, sendo este o maior legado que podemos ambicionar.

Muito mais do que as soluções encontradas e nem sempre escritas em guardanapos, durante as férias, fica a questão… temos respeitado o nosso propósito de vida?

*Carla Caracol é diretora de recursos humanos do grupo Renascença Multimédia e membro da direção nacional da APG.

  • Carla Caracol

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Como avalia a sua vida?” ou, tão simplesmente, reflexões ao sol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião