Covid-19: os litígios vão disparar e é preciso geri-los já

  • Rita Samoreno Gomes
  • 30 Abril 2020

Aquilo que temos pela frente é um cenário de uma quase tempestade perfeita: a necessidade que muitos juízes irão sentir de recuperar o atraso que muitos processos judicias sofreram.

O tempo ainda é de reação à crise desencadeada pelo Covid-19. Perante a travagem económica, as empresas passaram os últimos dois meses focadas na implementação de medidas sanitárias, laborais e de apoio à tesouraria e na adequação do seu modelo económico ao novo contexto, em todas as suas vertentes.

Mas presente e futuro, no atual enquadramento macroeconómico, não distam entre si. E o momento atual é crítico para salvaguardar a saúde económico-financeira das empresas. Isto passa, necessariamente, por uma reavaliação das opções e, em muitos casos, por um reajustamento das relações comerciais com os seus parceiros. Esse movimento já é notório e faz adivinhar uma realidade que não surpreenderá ninguém: as divergências com parceiros, fornecedores, clientes ou credores tornam-se cada vez mais evidentes, o que, com elevada probabilidade, levará a uma escalada litigância entre entidades privadas (deixemos, por agora, de lado o risco de litigância com entidades do setor público, que daria, por si só, para escrever vários artigos).

Aquilo que temos pela frente é um cenário de uma quase tempestade perfeita: a necessidade que muitos juízes irão sentir de recuperar o atraso que muitos processos judicias sofreram em consequência das medidas excecionais e temporárias aprovadas na área da justiça, junta-se ao previsível aumento considerável de novos processos judiciais, decorrentes do impacto económico da pandemia, o que certamente provocará um significativo congestionamento nos tribunais, com o inevitável aumento na morosidade dos processos judiciais que isso certamente acarretará.

Assim, uma gestão prudente tem de incorporar, como aspeto estratégico, uma prevenção ativa de litígios, ainda que assumindo que alguns deles acabarão, em última análise, na esfera judicial.

Uma boa gestão de uma situação de pré-litígio pode traduzir-se numa significativa poupança de tempo e custos judiciais em caso de litígio e pode influenciar decisivamente o seu resultado. As empresas devem, por isso, colocar-se um conjunto de questões que lhes permita, numa primeira fase, fazer um diagnóstico de crise e, numa segunda fase, delinear um plano de ação para mitigar custos associados ao incumprimento contratual, ao mesmo tempo que preparam o terreno para os litígios que não for possível evitar.

Uma das primeiras análises a fazer será avaliar se a empresa (e as suas contrapartes) se mantêm solventes e com capacidade de cumprir as suas obrigações contratuais. Uma análise destas dimensões pode ajudar a aferir da necessidade de atuar precocemente e será sempre útil para ajustar as expectativas de ambas as partes e determinar o tipo de medidas e a abordagem a adotar, quer na fase de negociação, quer na eventual tomada de decisão de avançar para tribunal (e a definir em que termos).

Num segundo momento, é importante perceber qual o impacto da situação de pandemia e travagem económica em que vivemos e, em particular, das medidas temporárias e excecionais aprovadas pelo Governo e pelo Parlamento nos seus contratos ou nas suas relações comerciais com parceiros e clientes. Toda esta situação e este novo quadro legislativo podem alterar ou suspender cláusulas contratuais ou alterar de forma sensível a economia dos contratos e os direitos e obrigações das partes, o que poderá também justificar a tomada de medidas.

Feito o diagnóstico, trata-se de procurar soluções e aqui negociar deve ser a primeira opção. Os processos judiciais, por regra, são morosos, caros e desgastantes, pelo que é fundamental ser proativo, abordar os parceiros comerciais, encetar precocemente processos negociais e esgotar todas as hipóteses de negociação antes de avançar para tribunal.

Os processos de negociação devem ter como objetivo compor ou reajustar os interesses das partes, mas sem nunca descurar a preparação potenciais litígios, já que alguns deles não serão evitáveis. Seguir uma lógica de prudência e nunca renunciar ou comprimir direitos é, por isso, fundamental. Sempre que possível, estes processos devem ser conduzidos por advogados, para assegurar a sua confidencialidade, bem como que, em caso de sucesso, o acordo seja vinculativo para as partes e válido em tribunal.

Por último, nas situações mais críticas, o diagnóstico deve igualmente ponderar a razoabilidade e a necessidade de recorrer ou participar em processos de recuperação com os credores ou devedores, como o RERE ou o PER, ou, sendo o caso, de requerer ou apresentar-se à insolvência (em determinados casos, há prazos legais a cumprir).

Vivemos tempos em que, com nunca, a incerteza é grande e em que a capacidade de antecipar o futuro próximo nunca foi tão reduzida. A chave, por isso, não está em ser capaz de antecipar com precisão o futuro, mas antes em estar preparado para reagir a todos os cenários.

  • Rita Samoreno Gomes
  • Sócia coordenadora da área de contencioso financeiro e societário da PLMJ

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: os litígios vão disparar e é preciso geri-los já

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião