Os Óscares da Advocacia

  • Pedro Santos Azevedo
  • 12 Fevereiro 2020

Leia aqui o artigo de opinião do Of Counsel da Cardigos Advogados, Pedro Santos Azevedo, sobre os óscares e o setor da advocacia.

Depois da nonagésima segunda edição dos Prémios da Academia, é altura de começarmos a pensar na primeira edição dos Óscares da Advocacia. Ou dos Emmy’s. Ou dos BAFTA. Neste momento abriram, provavelmente, vários pop-ups na mente de quem lê, pensando – e bem – que já os temos, organizados por entidades como a IFLR1000, Legal500, Best Lawyers, etc… E que até temos categorias com nomes bem mais cool do que os da sétima arte: 30 under 30, Deal of the Year, Ones to Watch, Road to Partner, etc. E eu acho isso “fixe” (é assim que se escreve?), juro que acho. E sigo e leio isso tudo, e acho piada.

Devo dizer, no entanto, uma coisa. Se os Óscares são agora – e cada vez mais – palco de statements – sejam eles políticos, ambientais, etc. talvez fosse importante pensarmos também a Advocacia: se estes Óscares nos dessem palco para criar awareness para determinadas realidades, poderíamos ajudar:

  • Os Advogados que, mesmo concluindo um curso com mérito, se vêm confrontados com uma barreira de milhares de euros a pagar por um estágio obrigatório, que, num ciclo vicioso difícil de quebrar, pode perpetuar a armadilha da pobreza ao impedi-los de aceder à profissão com a qual daquela se poderiam libertar;
  • Os Advogados que em alguns casos ganham menos, ou pouco mais, do que a contribuição mensal que pagam para a CPAS, e que têm de evitar a todo o custo ter uma lesão, um acidente, ou algo que lhes limite temporariamente a capacidade de trabalhar sob pena de irem à falência;
  • Tantas Advogadas que, nestes novos loucos anos 20 do Século XXI, ainda entram em salas de reunião para não serem levadas a sério pelo mero facto de serem mulheres, ou que têm sempre de trilhar mais milhas para chegar ao exato patamar que um seu par em versão masculina chegou ou chegaria.
  • Os Advogados que, por detrás de uma fotografia glamorosa, vivem verdadeiramente escravos de um modo de vida altamente desgastante, ainda que com um sorriso (fake it until you make it, they say).

Tenho a sorte – e ainda que trabalhe muito, é, em parte, mesmo apenas sorte – de não ser nomeado em nenhuma das categorias. Pode dizer-se que ser Advogado é isso: e em parte é, um exercício de disciplina e sacrifício. Mas noutra parte não, porque por detrás de cada Advogado há uma pessoa e uma vida.

Assim:

  • Para os nomeados para a categoria de disparidade entre despesas mensais indispensáveis para a sua atividade e a sua capacidade contributiva, seria importante ter cada vez mais em conta as situações graves que se podem gerar neste modelo;
  • Para os nomeados para a categoria de mesmo com mérito, posso não conseguir ser advogado, instituir bolsas de mérito, tal como na própria faculdade: a possibilidade procurar, pelo mérito, uma vida melhor deve ser altamente estimulada.
  • Para as nomeadas para a categoria de não serem levadas a sério pelo mero facto de serem mulheres, cabe-nos a nós, todos, homens em especial, evitar, e fazer, ativamente, com que os outros evitem, a concretização dessa realidade.
  • Para os nomeados para a categoria de poker face, perceber – todos nós, mais uma vez – que por detrás de cada advogado está uma pessoa e é importante, até para a saúde das organizações, evitar normalizar determinadas realidades, que chegam a culminar em casos de burn out.

Se isto fosse um discurso de um Óscar que espero ter a sorte de nunca ganhar, diria: não aponto o dedo a ninguém, especificamente. Estamos todos juntos nisto: advogados, advogados estagiários, ordens profissionais, sociedades de advogados, legisladores, clientes, mercado de trabalho, etc. Nos Óscares chamam a esta massa multiforme, conjugada, “the industry”. E esta, como um todo, tem o dever – se não legal, pelo menos moral – de lutar contra esta realidade. E são precisos todos para podermos, um dia, ter uma noite de Óscares sem quaisquer nomeados em todas as categorias.

*Pedro Santos Azevedo é Of Counsel da Cardigos Advogados.

  • Pedro Santos Azevedo
  • Of Counsel da Cardigos Advogados

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Os Óscares da Advocacia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião