Portugal 2020: Já preparou a candidatura da sua empresa?

  • João Aranha
  • 16 Novembro 2016

Nesta fase é fundamental focar-nos nas rubricas de gastos mais relevantes nos projetos a desenvolver nos próximos anos.

Afastado o fantasma do corte de fundos estruturais para 2017, e na altura em que muitas entidades estão a preparar o orçamento para o próximo, julgo que estarmos no momento ideal para equacionarmos os fundos disponíveis no Portugal 2020 face aos investimentos a realizar.

Deste modo, e simplificando o match entre investimentos e fundos a que me devo/posso candidatar, sugiro sempre desligarmo-nos nesta fase (e somente nesta fase) do âmbito do projeto e focarmos nas rubricas de gastos mais relevantes nos projetos a desenvolver nos próximos anos.

Deste modo, e num estilo simplista para quem não lida com os fundos comunitários diariamente, poderemos facilmente fazer as seguintes associações:

  • Gastos com equipamento/maquinaria (incluindo setor do turismo): Sistema de Incentivos à Inovação;
  • Gastos com software, patentes, implementação qualidade (ISSO, etc), contratação de serviços relacionados com marcas, web design, etc: Sistema de Incentivos à Qualificação de PME;
  • Gastos com feiras/eventos internacionais (viagens, estadias, material promocional): Sistema de Incentivos à Internacionalização;
  • Gastos com pessoal (investigação e/ou desenvolvimento): Sistema de Incentivos à I&D.

Esta primeira abordagem é muito genérica, devendo numa primeira fase, apenas tentar enquadrar o projeto no mundo interminável de diplomas, regras e orientações técnicas dos fundos comunitários sendo, no entanto, uma boa base para ponderar os apoios que posso ter no meu orçamento para 2017.

  • João Aranha

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal 2020: Já preparou a candidatura da sua empresa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião