Revolução sexual

O movimento #MeToo não é uma tomada de posição pública sobre as condutas sexuais ou sobre a dignidade de género, tudo à sua volta respira os ares da política e as brisas do poder.

Claro que o poder é afrodisíaco. O poder económico e o poder político. Claro que sexo é poder. O poder da dominação e o poder do prazer. Passados anos da invenção da pílula, da libertação da mulher e do amor livre, o sexo é uma mercadoria. E na lógica económica do mercado quem fornece a mercadoria tende a procurar o monopólio. Novamente tudo se resume a uma questão de poder. As políticas identitárias baseadas na identidade de género representam hoje a mais lapidar projecção de um modelo de activismo político. No topo da pirâmide está o movimento #MeToo.

Alimentando uma cultura de intolerância, ressentimento, divisão, ódio para estimular o medo, o Movimento veste-se com cores liberais para praticar uma política de denúncia e julgamento público só comparável com as piores práticas Estalinistas. Ninguém pára de aplaudir o discurso porque todos têm medo de parar de aplaudir o discurso. O resultado está bem patente num fraseado político implacável e numa cultura política que reduz o homem à caricatura de uma “masculinidade tóxica”. Todos os homens, apenas por serem homens, são monstros no segredo de cada escritório. Não está aqui qualquer atribuição de um estatuto de vítima à metade masculina da Humanidade. Mas o silêncio de todos e de cada um é uma perplexidade que não pode deixar de ser sublinhada. Enquanto a ortodoxia progressista e puritana do movimento #MeToo for dominante todos os homens são criminosos na versão liberal de um Holocausto de género.

A insegurança masculina é óbvia e evidente, comparável mesmo à perda de estatuto e de influência que a minoria branca sentiu quando reduzida nos seus privilégios pela ascensão e reconhecimento da igualdade de oportunidades legitimamente concedida à maioria negra. Observe-se o caso de Ian Buruma, editor do prestigiado ‘New York Review of Books’ e que se demitiu após ter publicado no jornal um ensaio escrito pelo DJ canadiano Jian Ghomeshi, objecto de acusações públicas e escandalosas sobre a sua conduta sexual. No ensaio, o DJ faz um relato da experiência de quem está do outro lado do dedo acusatório. A reacção nas redes sociais foi uma violenta avalanche de indignação e revolta que tornou impossível a continuação de Ian Buruma. Onde fica o princípio do contraditório? Não fica quando a regra está bem patente num cartaz exibido por uma apoiante do Movimento – ‘BELIEVE WOMEN’.

Veja-se o caso de Philip Bunce, um Senior Executive do Credit Suisse que, sendo homem, por vezes e em certos dias sente-se mulher. Nesses dias de identidade de género alterada, Bunce veste-se de mulher e apresenta-se com o nome de Pippa. Com base neste facto, o vetusto ‘Financial Times’ inclui Bunce/Pippa na lista das 100 melhores Executivas no mundo dos negócios.

Os partidos políticos clássicos fogem da discussão destes temas, deixando o espaço público político ao sabor dos impulsos populistas e radicais. #MeToo é a magistral ideologia para a lógica do ‘on-demand’ que domina a era da Internet. Privilegia a primazia da “experiência de vida”, eleva as emoções acima de qualquer prova ou contraditório, promove o julgamento instantâneo nas redes sociais. Congela o debate e asfixia o pensamento crítico. Tudo o que não coincide com a ortodoxia do Movimento é crime. Devem as leis e as políticas públicas ser definidas com base nos factos, nas práticas e nas provas ou simplesmente ser o produto dos sentimentos e das emoções?

O movimento #MeToo não é uma tomada de posição pública sobre as condutas sexuais ou sobre a dignidade de género, tudo à sua volta respira os ares da política e as brisas do poder. A preocupação central é sobre o modo como o poder é distribuído entre géneros, fundamental é o controlo do exercício do poder e o controlo da percepção sobre o abuso do exercício do poder. A sequência da lógica política do Movimento desloca-se na direcção da paridade absoluta com a ascensão e o domínio do género feminino. Seja nos governos, seja nas empresas, o Movimento aspira à superioridade da mulher, não à igualdade entre géneros. Como escreve Edward Gibbon em ‘The Decline and Fall of the Roman Empire’, em todas as épocas e países, o mais sábio, ou pelo menos o mais forte dos dois sexos, usurpou os poderes do Estado, e confinou o outro sexo aos cuidados e prazeres da vida doméstica. Enquanto o ‘background’ é dominado pelos sons do ‘Dancing Queen’, os anjos da história dançam com as mulheres.

Nota: O autor escreve ao abrigo do antigo acordo ortográfico.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Revolução sexual

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião