Será o ‘fim’ da arbitragem de investimentos na União Europeia?

Leia aqui o artigo de opinião da associada sénior da Garrigues, Cláudia Saavedra Pinto, sobre o fim da arbitragem de investimentos na União Europeia.

São conhecidas as desconfianças que os tratados bilaterais de promoção e proteção de investimentos têm suscitado, nos últimos anos, sobretudo por força das cláusulas arbitrais que habitualmente consagram. Apesar de globais, verifica-se que estes problemas têm assumido particular relevo no espaço da União Europeia, aí levando à defesa de propostas tendentes à judicialização da arbitragem de investimentos.

Merece destaque, neste quadro, a proposta apresentada pela UE, para a criação de um tribunal multilateral de investimento (TMI), destinado à resolução de litígios que venham a surgir no plano de acordos comerciais e de investimento existentes e futuros (extra-EU BIT). Conforme tornado público, a 20 de março de 2018, com a publicação das diretrizes do Conselho que autorizam a Comissão Europeia a negociar, em nome da União, no seio da Comissão de Direito Comercial Internacional das Nações Unidas, uma convenção para o efeito, o objetivo passa por instituir um organismo internacional de natureza permanente, que substitua os sistemas bilaterais arbitrais atualmente previstos. Os juízes devem exercer funções por um período longo e não renovável, ser nomeados na sequência de um processo objetivo e transparente, assente numa indicação dos Estados-Parte ou num processo de eleição semelhante ao que tem lugar noutros tribunais internacionais, receber uma remuneração certa e oferecer especiais garantias de imparcialidade e independência. Os processos, por seu turno, devem ser distribuídos aleatoriamente, sem intervenção das partes litigantes e ficar sujeitos a exigentes regras de transparência, incluindo o acesso público a documentos e a participação de terceiros. Devem seguir regras processuais comuns e estabilizadas e admitir o recurso contra decisões adotadas em primeira instância. Trata-se de um novo paradigma na resolução de litígios em matéria de investimento, que pressupõe a passagem do quadro de arbitragem para um sistema jurisdicional.

Esta não é, contudo, a única movimentação verificada no sentido da judicialização da arbitragem de investimentos na UE. Assumem igual importância os recentes desenvolvimentos ocorridos em torno do debate sobre os intra-EU BIT – entendidos pela Comissão, desde há vários anos, como uma ‘anomalia’ no mercado único e julgados, mais recentemente, pelo Tribunal de Justiça, como criando um mecanismo de resolução de litígios suscetível de pôr em causa a autonomia da ordem jurídica da União (v. acórdão de 6.3.2018, caso C-284/16, Achmea). Depois de vários anos de ‘braço-de-ferro’ entre os Estados, a CE e os tribunais arbitrais, foi revelada, no passado dia 10 de outubro, a primeira versão do acordo multilateral a celebrar entre os 28 Estados-Membros da UE, que visa pôr termo aos 168 intra-EU BIT, ainda em vigor, e determinar a ineficácia das sunset clauses dos BIT já resolvidos. O projeto de acordo circulado não prevê, ao contrário do que havia sido proposto por alguns Estados, um meio alternativo para a resolução de litígios ao dispor dos investidores europeus. Em vez disso, limita-se a remeter potenciais conflitos para o sistema judiciário comum e a prever, no caso de processos arbitrais pendentes, a possibilidade de mediação, condicionada à prévia suspensão da instância arbitral e ao prévio reconhecimento judicial da ilegalidade das medidas contestadas, por violação do direito da União.

Perante o estado de coisas descrito, e a admitir que as iniciativas referidas serão levadas ‘a bom porto’, não podemos deixar de nos questionar: que espaço restará, no futuro, à arbitragem investidor-Estado na UE (subsistirão, porventura, algumas poucas arbitragens de investimentos, envolvendo Estados terceiros que não sejam parte do TMI)? E que consequências terá este cenário no mercado interno e nos investimentos europeus? Duas coisas parecem, por ora, certas: o quadro de proteção de investimentos na UE sairá modificado, com a perda da via arbitral e de algumas das vantagens que lhe são tipicamente reconhecidas; e os meios de resolução de litígios, em matéria de investimentos, ao dispor dos investidores europeus e estrangeiros no território da União não serão coincidentes. O mais, o futuro o dirá.

*Cláudia Saavedra Pinto é associada sénior do departamento de direito público, energia e ambiente da Garrigues.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Será o ‘fim’ da arbitragem de investimentos na União Europeia?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião