Todos podemos falar em bits e bytes

  • Anabela Ferreira
  • 26 Outubro 2020

Somos capazes de fazer algo que há bem pouco tempo pensaríamos impossível: passar mais tempo em casa, estar em teletrabalho, viver de relações pessoais e profissionais à distância.

A procura por uma melhor carreira, melhor vida pessoal e melhor vida social desde sempre me motivaram a descobrir novos caminhos. No momento em que uma pandemia mundial faz o mundo parar, acordamos de uma realidade dominada pelo desejo de alcançar o primeiro lugar e percebemos que algo tão simples, singelo e até mesmo invisível torna-nos imensamente vulneráveis.

Afinal de contas, somos capazes de fazer algo que há bem pouco tempo pensaríamos impossível: passar mais tempo em casa, estar em teletrabalho, viver de relações pessoais e profissionais à distância.

Cresci num mundo ligado à informática, o que era algo incomum para as mulheres. No entanto, sempre acreditei que esta seria uma possibilidade de um futuro melhor. E foi assim que comecei, entre os bits e os bytes, a comunicar de uma forma diferente do normal, na altura.

Ao longo dos últimos anos, tive a sorte de estar perto de pessoas que sempre se mostraram disponíveis para me ensinar e motivar dia após dia. Esta sensação de conforto e acolhimento moldaram a minha forma de trabalhar, de estar em equipa e de transmitir segurança, apoio e confiança a quem me rodeia.

Quando entrei na Natixis em Portugal, percebi que as oportunidades de partilha se tinham multiplicado. O facto de ser feliz no trabalho fez com que estivesse sempre disponível para os desafios que foram surgindo diariamente. Todo o tempo disponível, para além das minhas funções como business analyst, foi sendo preenchido com atividades complementares internas e externas como, por exemplo, visitas a faculdades para dar a conhecer o nosso trabalho.

Acredito que temos o dever de contribuir para inclusão e diversidade e é um orgulho para mim saber que a estratégia de Responsabilidade Corporativa da Natixis está alinhada com esta minha missão. Queremos que as mulheres e os homens tenham as mesmas oportunidades e que o universo da tecnologia não seja um lugar incomum para as mulheres, tal como era na altura em que eu comecei.

Espero que, ao partilhar o meu percurso profissional e a minha visão com as jovens estudantes, estes desvendem as várias possibilidades que têm para um futuro diferente. Porque no final do percurso, e independentemente do caminho escolhido, o objetivo bate nas mesmas teclas: ser feliz e assim tornar tudo mais agradável.

*Anabela Ferreira é agile business analyst na Natixis em Portugal

  • Anabela Ferreira

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Todos podemos falar em bits e bytes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião