Trabalho: a evolução na continuidade

Este é o terceiro artigo de um conjunto de análises à proposta de OE2017 no âmbito do acordo do ECO com as universidades do Minho, do Porto e de Coimbra, com a marca ECO da Academia.

Não sendo o seu objeto principal, o Orçamento do Estado (OE) não é inócuo do ponto de vista dos seus efeitos no mercado de trabalho. Estes efeitos decorrem não só dos impactos agregados do OE na despesa interna, e da relação desta com o nível de emprego e com os salários, mas também das políticas setoriais de algum modo relacionadas com o mercado de trabalho, como sejam, por exemplo, as políticas ativas de emprego, ou as decisões de natureza fiscal e contributiva com incidência sobre o fator trabalho.

No que diz respeito à previsão da relação entre crescimento do PIB e do emprego, assume-se uma elasticidade inferior à unidade, ou seja, por cada ponto percentual de crescimento do PIB prevê-se para 2017 um crescimento do emprego em 0.67 pontos percentuais, valor aliás igual ao estimado para 2016, mas inferior ao de 2015 (elasticidade de 0.88) e ao de 2014 (elasticidade de 1.56). Ou seja, esta é uma previsão realista para o crescimento do emprego, à qual corresponde um crescimento modesto da produtividade aparente do trabalho em 0.5% e uma redução da taxa de desemprego para 10,3%.

Mas os problemas do mercado de trabalho português não devem ser reduzidos apenas às dimensões emprego e desemprego. Às baixas qualificações da força de trabalho, e à fragilidade da estrutura empresarial interna, os fatores mais marcantes da oferta e da procura de trabalho, estão associados vários fatores de cariz institucional que resultam em disfunções no funcionamento das relações laborais, como são o caso da precariedade contratual e da persistência de elevadas taxas de desemprego de longa duração e de desemprego jovem.

Estas disfunções traduzem-se quer numa perceção de insegurança quer na manutenção de baixos salários, com uma proporção demasiado elevada de trabalhadores com remunerações iguais ou próximas do salário mínimo nacional.

Como resposta aos problemas acima descritos, o OE de 2017 reforça a componente de formação de ativos, através do Programa Qualifica, com objetivos ambiciosos a médio prazo (50% da população adulta com o ensino secundário em 2020, face a 39% em 2011; aumento da taxa de participação de adultos em atividades de aprendizagem ao longo da vida para 15%, entre outras), e propõe a reformulação de várias medidas ativas de emprego, como são os estágios e os contratos emprego inserção, de acordo com os princípios da proporcionalidade, seletividade e condicionalidade, a qual deverá traduzir-se num redução dos montantes gastos nestas medidas, em grande parte financiadas com recurso a fundos estruturais.

No que diz respeito ao combate à precariedade, o Orçamento privilegia a componente inspetiva e de fiscalização por parte da Autoridade para as Condições de Trabalho como principal instrumento de combate ao trabalho não declarado ou ao uso abusivo de contratos a termo. Basear o combate à segmentação do mercado de trabalho português em ações de caráter fiscalizador parece-nos claramente insuficiente, e com resultados limitados.

A dualidade existente obriga a repensar as formas contratuais atuais, no sentido de avaliar a introdução de novas formas de contratualização entre trabalhadores e empresas que tenham em conta não só as novas formas de trabalho emergentes, mas também que permitam novas combinações entre segurança e flexibilidade laboral.

Aurora Teixeira (Universidade do Porto), Anabela Carneiro (Universidade do Porto), João Cerejeira (Universidade do Minho), Miguel Portela (Universidade do Minho) e Sandra Silva (Universidade do Porto)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Trabalho: a evolução na continuidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião