“É melhor prevenir do que remediar.” Portugueses já estão a atestar em antecipação à greve

Os motoristas de matérias perigosas avisaram que vão avançar para greve a 23 de maio. Alguns condutores já foram atestar o carro para garantirem um depósito cheio.

A manhã foi mais atarefada do que o esperado para Paulo Freitas. O posto de abastecimento onde trabalha abriu às 7h00, como habitual, mas, uma hora depois, a enchente que viu já era fora do normal. O pré-aviso de greve dos motoristas de matérias perigosas, apesar de ter data marcada para daqui a duas semanas, fez soar os alarmes e alguns lisboetas aproveitaram as primeiras horas da manhã para garantir que o depósito estava cheio.

“Estava tudo doido, começou tudo a vir atestar”, conta Paulo, num momento de descanso. Depois da última greve dos motoristas ter parado o país, e motivado uma corrida às bombas, ninguém quer ficar apeado. Neste posto de rua, em Campo de Ourique, foram vendidos 500 litros, só de Galp Frota, no dia anterior ao aviso. Nesta quinta-feira, às 11h30 da manhã, já tinham sido despachados de mil litros, revela.

O pré-aviso de greve aumentou o movimento junto dos postos de combustívelHugo Amaral/ECO

Apesar do ritmo por vezes constante, com carros a entrar e a sair, uns a seguir aos outros, a fila na rua Correia Teles nunca foi demorada. Um dos clientes, Hugo Mesquita, não tem dúvidas de que vai tomar precauções antes de o momento chegar. “Preciso do carro para trabalhar, tenho de encher o depósito antes”, aponta. Na última greve, também atestou o depósito com antecedência e agora acompanha “com cuidado” o desenrolar das negociações. Na fila para pagar, Helena também esteve atenta às notícias e quis evitar surpresas. “É o máximo que posso fazer”, justifica, já com depósito cheio.

“É melhor prevenir do que remediar.” É assim que Graça Júlio explica a sua ida à bomba nesta quinta-feira. Mesmo sabendo que ainda faltam uns bons dias para a paralisação, Graça quer garantir que fica com o deposito cheio, porque “nas vésperas é capaz de haver muita gente”. “Da última vez fui apanhada de surpresa, de maneira a que nem saí de casa porque não tinha gasolina”, conta ainda Graça.

Este parece ser um fator determinante para a atitude dos portugueses: garantir que desta vez a paralisação não será uma surpresa. Este posto de abastecimento recebe um carregamento de combustível uma vez por semana, às segundas-feiras, e por isso é que, em abril, quando não receberam o gasóleo devido à greve dos motoristas, o combustível acabou rapidamente. “Se soubéssemos com antecedência tínhamos abastecido no domingo”, e já não havia problema, adianta Paulo.

Fé nas negociações

Mas nem todos ficaram alerta. João Mendes é um dos condutores que se mostra despreocupado. “Da última vez também não fui a correr por gasolina no carro”, recorda. O condutor diz que não tem por hábito “ir atrás das confusões”, mas também confia que, com as negociações, a situação se possa resolver. “Até lá ainda há muito tempo, não há necessidade para alarmes”, reitera.

O Ministério das Infraestruturas e da Habitação está em contacto com Associação Nacional de Transportes Públicos de Mercadorias e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, e garante que “continuará os esforços para que as partes se entendam e a greve seja desconvocada”, referiu fonte oficial do ministério ao ECO.

Aos ouvidos de Mafalda ainda não chegaram as notícias. “Ouvi algo vagamente, mas não liguei”, reflete, enquanto espera para atestar o carro. Na verdade, diz, só ficará preocupada com a greve se tiver uma viagem marcada perto desse dia. “Aqui em Lisboa, se não tiver gasolina, ando a pé”, desdramatiza. Não é a única que deixa o trabalho para os pés, sendo que, para outro dos clientes de Paulo, os sapatos serão o seu veículo se o combustível faltar.

Posto de combustível em Campo de OuriqueHugo Amaral/ECO

Um taxista de passagem pela bomba anuncia que “quando acabar o gasóleo não há táxi para ninguém”. Verdade seja dita que, quando os motoristas de matérias perigosas pararam, muitos setores do país foram afetados. No que toca a meios de transporte, apenas os ciclistas e os condutores de motores elétricos é que ficaram, e vão continuar a estar, completamente descansados, sendo que até o metro admitiu a possibilidade de ser afetado.

Mas, desta vez, o país poderá estar mais preparado. Paulo Freitas está convencido que será possível resolver este impasse, mas mesmo que os motoristas avancem para a greve, “os postos já estão prevenidos”. Além disso, também não apanha a Páscoa, período de férias por excelência, timing que exacerbou o efeito da última vez.

A Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas diz que vai, tal como já fez na anterior paralisação, reforçar os abastecimentos dos postos. “Já foi acautelada na última situação de greve”, sendo que agora voltarão a ser atestadas as “bombas” no sentido de evitar situações de disrupção. Mesmo assim, está apreensiva perante a perspetiva de “perturbação” que esta nova greve poderá trazer.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

“É melhor prevenir do que remediar.” Portugueses já estão a atestar em antecipação à greve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião