Vai nascer a segunda maior produtora de aço

  • Ana Luísa Alves
  • 21 Setembro 2016

A fusão entre a Baosteel e a Wuhan Iron e Steel criará a segunda maior empresa siderúrgica do mundo.

A Baosteel e a Wuhan Iron e Steel (WISCO) anunciaram esta terça-feira uma fusão que criará uma empresa com ativos no valor de 93.300 milhões de euros. Esta passará a ser a segunda maior empresa mundial na produção do aço, tendo apenas à sua frente a ArcelorMittal.

A WISCO anunciou esta terça-feira a decisão à Bolsa de Shangai, onde ambas as empresas estão cotadas, num comunicado a que o ABC teve acesso. O plano, já aprovado pela autoridade reguladora das empresas estatais chinesas no fim de agosto, precisa apenas da autorização do Conselho de Estado Chinês, antes do fim deste mês, para avançar.

Está previsto que o sétimo produtor mundial de aço, a Baosteel, emita novas ações para trocar pelos títulos da empresa WISCO. Esta última, que nos últimos anos registou algumas quebras no lucro, vai converter-se numa subsidiária da Baosteel.

A capacidade de produção da fusão das duas empresas será de aproximadamente 60 milhões de toneladas anuais, com ativos no valor de mais de 93.300 milhões de euros (700 mil milhões de iuans), superando assim a rival Hebei Iron e Steel, a maior produtora de aço chinesa, e aproximando-se da maior produtora mundial, a ArcelorMittal, com sede no Luxemburgo.

A fusão das duas empresas em causa acontece no momento em que se dá uma restruturação da indústria siderúrgica na China. A intenção do Governo de Pequim é reduzir a capacidade de produção de aço atual para um valor entre 100 e 150 milhões de toneladas por ano até 2020.

A restruturação levada a cabo encurtará a capacidade de produção de aço da Baosteel em 9,2 milhões de toneladas em três anos, enquanto a WISCO reduzirá a sua produção, só este ano, em 4,42 milhões de toneladas, refere o grupo de media chinês Caixin, citada pela ABC.

Editado por Mónica Silvares

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vai nascer a segunda maior produtora de aço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião