Violas de saída do BPI

Família Violas vai vender os 2,681% que detém no BPI. Chega ao fim parceria de 35 anos.

A família Violas, que detém através da Holding Violas Ferreira (HVF) 2,681% do capital do banco de Fernando Ulrich, está de saída do banco. Tiago Violas Ferreira, administrador da HVF, adiantou ao ECO que vai “vender na OPA a posição” que detêm. “Não temos outra alternativa”, refere o gestor.

O administrador mostra-se descontente com esta situação. E justifica: “Éramos os maiores acionistas portugueses e estamos no banco desde o início, primeiro com a SPI, de 1981 a 1985, e depois desde essa altura até agora”.

"Não vamos ficar minoritários numa filial do CaixaBank.”

Tiago Violas Ferreira

Administrador da Holding Violas Ferreira

Com a aprovação por parte dos acionistas do banco da proposta de desblindagem dos estatutos que teve lugar esta quarta-feira de manhã em Serralves, no Porto, a OPA do CaixaBank tem luz verde para avançar, uma ideia que não agrada ao maior acionista português do banco, que inclusivamente apresentou duas providências cautelares sobre o BPI com o objetivo de inviabilizar a oferta do banco catalão.

“Não vamos ficar minoritários numa filial do CaixaBank”, afirma Tiago Violas Ferreira, que adianta: “Isto é muito triste, sobretudo porque estamos a falar das mesmas pessoas que nos aconselharam a não vender a sete euros quando o BCP há cerca de sete anos fez uma proposta para adquirir o BPI. E são ainda as mesmas pessoas que na primeira OPA lançada pelo CaixaBank (em fevereiro de 2015) também aconselharam os acionistas a não vender ao preço de 1,329 euros por ação, e agora defendem a venda a 1,113 euros por ação”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Violas de saída do BPI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião