Bank of America deixa cair negócio da Galp por causa de Isabel dos Santos

Banco de investimento norte-americano, o Bank of America, citou riscos de reputação para desistir de negócio que envolvia empresa da empresária angolana.

O Bank of America desistiu de desempenhar um papel de consultor da Amorim Energia, onde a empresária angolana Isabel dos Santos detém uma participação, na venda da posição na Galp, depois de o comité interno do banco ter cancelado a assinatura do contrato, adiantaram várias fontes à Bloomberg.

Detida em 55% por Américo Amorim e em 45% pela angolana Esperanza – controlada pela Sonangol e que integra no capital Isabel dos Santos-, a Amorim Energia vendeu no dia 15 deste mês uma posição de 5% na petrolífera numa oferta particular que permitiu arrecadar 485 milhões. Segundo o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a operação teve como coordenador único (Sole Bookrunner) o francês Société Générale.

De acordo com a agência, o Bank of America iria fazer parte desta operação mas não conseguiu obter a aprovação interna a tempo, numa altura em que o banco se debate com várias questões, incluindo os riscos de reputação.

Nem os responsáveis do banco norte-americano nem o porta-voz da empresária angolana estiveram disponíveis para comentar a notícia.

Cientes dos riscos reputacionais que podem enfrentar, vários bancos de investimento internacionais estão cada vez mais sensíveis ao escrutínio público e mediático das operações em que se envolvem, depois de vários casos onde companhias foram acusadas de comportamentos inapropriados com os seus clientes.

Foi o caso do Goldman Sachs, que já foi acusado de explorar as ligações com funcionários da Autoridade de Investimento da Líbia, e do Private Swiss Bank, que fechou as suas operações na Singapura em maio devido às suas ligações a uma problemática empresa estatal de investimento da Malásia.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bank of America deixa cair negócio da Galp por causa de Isabel dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião