Brexit. Três em cada quatro CEO’s consideram relocalizar as empresas fora do Reino Unido

  • Ana Luísa Alves
  • 26 Setembro 2016

Estudo da empresa de contabilidade KPMG revelou que grande parte dos CEO britânicos consideram mudar a sede das suas empresas para fora do país.

A votação para a saída da União Europeia fez com que muitos CEO’s pensassem relocalizar as suas empresas. A conclusão é de um estudo da KPMG, a que a Bloomberg teve acesso, e que divulga esta segunda-feira.

Dos 100 CEO’s inquiridos, 72% disseram ter respondido “sim” à permanência do Reino Unido na UE, em junho. Cerca de 73% disseram estar confiantes no crescimento das suas empresas, e 76% ponderam, de alguma forma, relocalizar as suas empresas.

“Os CEOs estão a reagir à incerteza do momento com planos de contingência”, afirmou Chairman Simon Collins, da KPMG, num comunicado, citado pela Bloomberg. “Mais da metade acredita que a capacidade de negócio da Grã-Bretanha não vai ser igual”, o que, segundo Collins, para muitos CEOs significa ter diferentes perspetivas daqui para a frente.

O estudo feito sugere ainda que a primeira-ministra Theresa May tem trabalhado no sentido de manter os postos de trabalho e dar às empresas algum estabilidade, no momento em que o país se esforça para assinar um acordo com a União Europeia que restrinja a imigração mas mantenha o país mais próximo dos 27 estados-membros a nível comercial. Antes do referendo, o então ministro das finanças inglês, George Osorne, alertou para o facto de a saída da UE poder pôr em perigo quase 820.000 postos de trabalho.

Editado por Mariana Barbosa

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit. Três em cada quatro CEO’s consideram relocalizar as empresas fora do Reino Unido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião