Shimon Peres, Nobel da Paz e um dos fundadores de Israel, morreu aos 93 anos

  • Marta Santos Silva
  • 28 Setembro 2016

"Toda a nação de Israel e a comunidade global partilham esta grande perda", disse o filho do líder histórico que defendeu a paz no Médio Oriente.

Shimon Peres, uma das figuras incontornáveis da história de Israel e vencedor do prémio Nobel da Paz, morreu aos 93 anos num hospital de Telavive. O líder histórico tinha tido um acidente vascular cerebral há duas semanas e estava hospitalizado desde então.

A morte do antigo primeiro-ministro e presidente de Israel foi anunciada esta manhã de quarta-feira pelo seu filho, Chemi Peres, numa conferência de imprensa. “É com imensa pena que nos despedimos do nosso querido pai, o nono presidente de Israel”, disse Chemi Peres, no hospital perto de Telavive onde o pai se encontrava internado. “Fomos privilegiados em fazer parte da família dele, mas hoje sentimos que a nação inteira de Israel e a comunidade global partilham esta grande perda. Partilhamos esta dor”.

O líder histórico foi um dos principais responsáveis pelos acordos de paz de Oslo, em 1993, pelos quais recebeu o Nobel da Paz juntamente com o líder palestiniano Yasser Arafat e o então primeiro-ministro israelita Yitzhak Rabin.

A história da vida de Shimon Peres é indestrinçável da história de Israel. Desde a fundação do estado em 1948 que Shimon Peres é uma figura central — seja nos anos 1950 a ajudar a trazer um reator nuclear para o país e a desenvolver a indústria, seja nos anos 1960 quando foi um dos principais responsáveis pela criação do sistema de defesa de Israel e armazenamento de armas nucleares, seja nas décadas que se seguiram, quando inverteu a sua posição e se tornou um dos maiores defensores da paz no Médio Oriente.

Barack Obama louvou as qualidades de Peres enquanto estadista e considerou-o “a essência de Israel” numa declaração emitida após a morte do antigo presidente se tornar conhecida. “Enquanto americanos, estamos em dívida para com ele porque, tendo trabalhado com todos os presidentes dos Estados Unidos desde John F. Kennedy, ninguém fez mais do que Shimon Peres ao longo de tantos anos para construir a aliança entre os nossos dois países”.

Shimon Peres nasceu na Polónia em 1923 e viveu na Palestina controlada pelos britânicos a partir de 1934. Foi primeiro-ministro três vezes, ministro dos Negócios Estrangeiros três vezes, e presidente de Israel por um mandato de sete anos, até 2014.

Nos últimos anos, Peres tinha criticado frequentemente a orientação do governo de Benjamin Netanyahu, que tem escalado o conflito com os territórios palestinianos, mesmo sem o mencionar diretamente. “Israel deveria implementar a solução de dois estados para o seu próprio bem”, disse Peres no ano passado, em declarações relembradas esta quarta-feira pelo The Guardian. “Se perdermos a nossa maioria, e hoje somos quase iguais, não poderemos permanecer um estado judeu nem um estado democrático”.

Editado por Paulo Moutinho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Shimon Peres, Nobel da Paz e um dos fundadores de Israel, morreu aos 93 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião