Pixel. O telemóvel surpresa da Google, que já não o é

A Google tem novidades fresquinhas e vai apresentá-las esta terça-feira. Mas por causa das fugas de informação, já se conhece muito acerca dos telemóveis Pixel e Pixel XL, made by Google.

A Google vai lançar dois novos telemóveis esta terça-feira, mas isso não impede que, graças às fugas de informação, já se conheça muito acerca do aparelho. A última foi protagonizada pela loja britânica Carphone Warehouse que, segundo o site 9to5Google, citado pelo site The Verge, terá publicado acidentalmente várias informações acerca do aparelho. Incluindo fotografias.

Pixel, o novo modelo da Google, tal como aparece na mais recente fuga de informação9to5Google/Carphone Warehouse

As imagens e informações reveladas sobre os Pixel e Pixel XL — nomes tidos como certos para os novos aparelhos da Google — vão ao encontro de outras reveladas anteriormente. Mostram os dois telemóveis com cinco e 5,5 polegadas respetivamente, resolução Full HD na versão menor e Ultra HD no modelo maior. Os processadores deverão ser Snapdragon 821 e, segundo as informações relevadas, terão 4 GB de memória RAM. Deverão existir versões com 32 e 128 GB de espaço de armazenamento.

Além disso, acreditando nos rumores, os Pixel e Pixel XL terão baterias com capacidade de 2770 mAh e 3450 mAh. Para comparação, é mais do que a capacidade das baterias do iPhone 7, que têm 1960 mAh. De resto, o que se sabe é o que se vê pelas fotografias já reveladas. Terá, claro, câmara frontal e câmara traseira, flash LED e sensor de impressões digitais.

Mais um dos slides onde é possível ver o Pixel, supostamente o novo telemóvel da Google9to5Google/Carphone Warehouse

Expectativas altas

Ou melhor, muito altas. Percebeu-se que o evento era em grande quando começaram a aparecer estruturas com silhuetas de telemóveis e a indicação “#MadeByGoogle”, em diversas cidades norte-americanas. Aliás, terá sido uma das maiores campanhas de promoção que a Google alguma vez fez para um evento, com anúncios a cobrirem totalmente fachadas de vários edifícios.

E porquê? Com base nas fugas de informação, esperam-se muitas novidades como, por exemplo, uma fusão entre os sistemas operativos Android e Chrome OS — que se deverá chamar Andromeda. Também se esperam novidades acerca do projeto Daydream, a tecnologia de realidade virtual da Google. Mas, de qualquer forma, a confirmação (ou desmentido?!) de todos estes rumores só chegará a meio da tarde deste quarto dia de outubro. Ou, se preferir, às 9 da manhã em São Francisco, a cidade que já nos habituou a ser berço de muita tecnologia nova.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pixel. O telemóvel surpresa da Google, que já não o é

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião