Juros portugueses com maior queda em três meses em vésperas de OE

A semana em que Portugal apresenta o Orçamento do Estado começa com um alívio do risco. Os juros associados à dívida a 10 anos regista maior queda em três meses.

A perceção de risco dos investidores em relação a Portugal alivia no arranque de uma das semanas mais decisivas para o próximo ano. O governo apresenta na sexta-feira o Orçamento do Estado para 2017 e, em antecipação à divulgação do documento, os juros associados à dívida portuguesa recuavam em todos os prazos. No caso da yield implícita nas obrigações do Tesouro a 10 anos, a taxa recua mais de 14 pontos base até aos 3,437%, registando a maior queda desde o final de junho, há quase três meses.

Embora as quedas atinjam todos os prazos portugueses, o sentimento na Europa é de algum agravamento do risco. Os juros associados às obrigações alemãs, espanhola e italiana subiam em praticamente todas as maturidades, uma evolução que confere maior destaque às tréguas sentidas no mercado de dívida portuguesa, apesar da “prova de fogo” que será a decisão sobre o rating por parte da DBRS, a única agência que mantém Portugal elegível para as compras do BCE.

A DBRS vai pronunciar-se sobre Portugal a 21 de outubro, uma semana após a apresentação do Orçamento do Estado para 2017. A agência canadiana é a única com um rating de qualidade para a dívida do país, sendo que Mário Centeno está confiante no resultado da revisão.

"Basicamente, a posição que eles têm é de que se sentem muito confortáveis com a nossa situação orçamental que classificam de ‘muito forte’.”

Mário Centeno

Ministro das Finanças

“Obtive comentários muito positivos”, disse o ministro das Finanças, à Bloomberg, após um encontro com a DBRS. “Basicamente, a posição que eles têm é de que se sentem muito confortáveis com a nossa situação orçamental que classificam de ‘muito forte’”, diz.

“Claro que a nossa expectativa é de que eles não irão alterar a sua perspetiva para a nossa dívida, nem a classificação que têm”, acrescentou Centeno. A DBRS atribui um rating de qualidade que permite a Portugal manter-se elegível para o programa de compras do BCE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros portugueses com maior queda em três meses em vésperas de OE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião