Fed: taxa de juro deverá subir “em breve”

Responsáveis da Reserva Federal norte-americana consideram "apropriado" subir a taxa de juro de referência se a economia evoluir como previsto.

A Reserva Federal norte-americana deverá avançar “em breve” com um aumento das taxas de juro, revelam as atas da última reunião do banco central norte-americano, divulgadas esta quarta-feira.

“Vários membros consideraram que será apropriado aumentar a taxa de referência para os fundos federais relativamente cedo se a economia evoluir como o [Comité Federal do Mercado Aberto] prevê”, pode ler-se nas minutas de 20 e 21 de setembro, a que a Bloomberg teve acesso. Ainda assim, os responsáveis salientaram que “pode haver argumentos razoáveis tanto para subir a taxa de juro como para esperar por informações adicionais sobre o mercado laboral e a inflação”.

"Vários membros (da FED) consideraram que será apropriado aumentar a taxa de referência para os fundos federais relativamente cedo se a economia evoluir como o [Comité Federal do Mercado Aberto] prevê.”

Comunicado da FED

Na reunião de setembro, a Fed decidiu manter os juros inalterados no intervalo de 0,25% a 0,5%, ainda que a maioria dos membros continue a prever um aumento das taxas ainda este ano. Mas foi uma decisão “renhida”, referem as atas agora divulgadas.

As incertezas que pairam sobre o crescimento económico e a necessidade de garantir que o aumento do emprego se mantenha sólido deverão, contudo, atrasar um aumento dos juros até dezembro. Os responsáveis da Fed voltam a reunir-se a 1 e 2 de novembro, dias antes das eleições presidenciais norte-americanas, a 8 de novembro.

Durante a reunião de setembro, vários membros do comité apontaram para os riscos de se esperar demasiado para subir os juros. “Vários participantes manifestaram preocupação com o facto de que continuar a atrasar a subida pode comportar riscos para a credibilidade” da Fed, até porque os dados mais recentes corroboram as previsões económicas do comité.

(Notícia atualizada pela última vez às 19h35)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed: taxa de juro deverá subir “em breve”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião