Lisboa lança programa de arrendamento em 2017

  • Leonor Rodrigues
  • 12 Outubro 2016

No Orçamento da cidade para o próximo ano as áreas com maior investimento são as da habitação, turismo, mobilidade e apoio às empresas.

A Câmara Municipal de Lisboa apresenta esta manhã as linhas gerais do Orçamento da cidade para o próximo ano. Uma das grandes novidades é a criação de um novo programa de arrendamento acessível, o LisboaPRAtodos.

Este programa pretende ser mais um fator de coesão social no município e vai permitir o rejuvenescimento do centro da cidade, nomeadamente das zonas históricas lisboetas. Além disso, o LisboaPRAtodos pretende contribuir para a melhoria da retoma económica, nomeadamente no que diz respeito ao setor imobiliário e da construção.

A primeira operação vai ser a colocação da concessão de exploração dos polos da renda acessível a concurso internacional até ao final do primeiro trimestre do próximo ano. A primeira área a reabilitar ainda não está definida mas o município espera que seja a Rua das Barracas. No entanto, o vereador das Finanças, João Paulo Saraiva, alerta que o programa “está muito dependente do interesse dos privados que vão concorrer” e ficar responsáveis pelas reabilitações.

O valor detalhado de todas as necessidades associadas às operações de reabilitação ainda não está identificado, nomeadamente o correspondente à aquisição de edifícios. Pretende-se ainda que este programa valorize também os ativos da autarquia, e João Paulo Saraiva dá o exemplo da Praça do Município em que todos os edifícios envolventes pertencem à câmara: “é um ativo muitíssimo valioso”.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa lança programa de arrendamento em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião