Gabriela Figueiredo Dias a primeira mulher à frente da CMVM

Gabriela Figueiredo Dias é descrita pelos amigos como discreta e inteligente. Dois trunfos que podem ser determinantes à frente da CMVM.

Gabriela Figueiredo Dias, até agora vice-presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) é o nome escolhido pelas Finanças para suceder a Carlos Tavares. Mas quem é a mulher escolhida por Mário Centeno?

Apesar de estar na CMVM há cerca de dez anos, e desde julho de 2015, ter assumido a vice – presidência do regulador, Gabriela Figueiredo Dias não é um nome muito conhecido dos empresários nacionais. A gestora fazia parte da administração presidida por Carlos Tavares e onde figuravam ainda os nomes de Carlos Alves e Maria dos Anjos Capote.

Filha de um conceituado professor de direito de Coimbra — cidade onde nasceu — Gabriela seguiu as pisadas do pai e licenciou-se em Direito, decorria o ano de 1989.

Quem a conhece bem descreve-a como “amiga e descontraída“.

Inteligente e com boas notas, amigos dos tempos da faculdade dizem que Gabriela Figueiredo Dias “não era muito estudiosa e gostava de uma boa farra e de ir à Queima das Fitas”.

Afável por natureza, Gabriela Figueiredo Dias era uma pessoa acarinhada por todos. É isso que dizem pelo menos os amigos, os mesmos que reconhecem que “nos últimos tempos não têm estado tanto com ela devido aos afazeres profissionais”. Afazeres que deverão agora assumir outras proporções.

Casada com um advogado que conheceu nos tempos da faculdade, a jurista tem duas filhas, uma com 20 anos e outra com 18, ambas estudantes universitárias.

Os amigos dizem que o percurso profissional de Gabriela Figueiredo Dias não os surpreende “desde cedo se percebeu onde havia de chegar, sempre teve aspirações”.

Uma amiga dos bancos da faculdade diz que “apesar de também ter dado aulas em Coimbra, a Gabriela não se revia no mundo académico, queria mais”.

Discreta e bastante low profile, Gabriela Figueiredo Dias tem agora pela missão vários desafios. E a discrição pode ser uma mais valia numa altura em que os mercados precisam sobretudo de tranquilidade.

Os primeiros passos no mundo profissional foram dados no mundo da advocacia, num dos escritórios mais conceituados da cidade estudantil. Segue-se a Miguel Galvão Teles/ Soares da Silva, de onde sai para trabalhar como independente.

Entre 1998 e 2007 trabalha como consultora jurídica independente, dando assessoria jurídica a empresas, consultoras e sociedades de advogados na área do direito das sociedades, direito financeiro, direito bancário, direito dos seguros, fundo de pensões e direito de mercado.

Em 2007 passa a integrar os quadros da CMVM. Começa como assessora dos assuntos internacionais e política regulatória de onde transita em 2010 para diretora adjunta do departamento internacional e de política regulatória e mais tarde do departamento de mercados, emitentes e informação. É, aliás neste cargo que chega a diretora, para em 2013 assumir o cargo de assessora do conselho de administração.

Em julho de 2015, em virtude da morte de Amadeu Ferreira, Gabriela Figueiredo Dias é chamada para a administração da CMVM e assume o cargo de vice-presidente onde se mantinha até hoje.

Paralelamente Gabriela Figueiredo Dias está ligada ao mundo académico, sendo docente universitária em instituições como a Universidade Moderna no Porto, a Faculdade de Direito de Coimbra, a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Comentários ({{ total }})

Gabriela Figueiredo Dias a primeira mulher à frente da CMVM

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião