Gabriela Figueiredo Dias vai ser a presidente da CMVM

A atual vice-presidente do regulador do mercado de capitais vai assumir a liderança, apurou o ECO. Os empresários fazem um balanço positivo do mandato de Carlos Tavares.

Gabriela Figueiredo Dias será a nova presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), apurou o ECO. A sucessora de Carlos Tavares deverá ser anunciada nos próximos dias.

Mais de um ano depois de ter terminado o seu mandato, Carlos Tavares tem, finalmente, uma substituta. A escolhida para o cargo é a atual vice-presidente do regulador do mercado de capitais, posição que ocupa desde julho de 2015.

Gabriela Figueiredo Dias está na CMVM desde 2007 onde entrou como diretora-adjunta para o departamento internacional e de política regulatória.

Licenciada em Direito pela Universidade de Coimbra, a nova presidente da CMVM começou a sua carreira no exercício da advocacia, tendo integrado sociedades de advogados como a Rodrigo Santiago & Associados e a Miguel Galvão Teles/Soares da Silva. Depois tornou-se consultora jurídica de onde transitou para a CMVM. Paralelamente exerceu a carreira de docente universitária em instituições como a Faculdade de Direito de Coimbra, Universidade Católica, Faculdade de Direito de Lisboa, entre outras.

Balanço positivo de Carlos Tavares

 

Carlos Tavares assumiu a presidência da CMVM em setembro de 2005

Carlos Tavares deixa o regulador de mercado de capitais mais de um ano depois de ter terminado o seu mandato – o segundo à frente da entidade. Convidado por Teixeira dos Santos, na altura ministro das Finanças, Tavares assume a presidência da CMVM em setembro de 2005. É o regresso a Portugal após uma passagem de quase um ano pela Europa, como diretor do órgão da Comissão Europeia GOPA.

Com dez anos à frente da presidência da CMVM, o balanço feito pelos empresários à atuação do ex-ministro da Economia de Durão Barroso é positivo. Apesar da conjuntura difícil com que teve que trabalhar — crise do subprime e o resgate de Portugal — Carlos Tavares deixa um mercado com um valor de 51,5 mil milhões de euros. Em setembro de 2005, quando assumiu o cargo de regulador do mercado, o PSI-20, o principal índice português, apresentava uma capitalização bolsista na ordem dos 45 mil milhões de euros.

Portugal não tem uma bolsa que tenha conseguido relançar e atrair empresas financiando-se no mercado mas isso também é fruto da envolvente política.

Nuno Ribeiro da Silva

Presidente da Endesa Portugal

Jorge Armindo, presidente da Amorim Turismo diz que “Tavares fez um bom trabalho”. Ainda assim o presidente da Amorim Turismo gostava que “a CMVM tivesse mais poderes e não apenas o de fiscalização; deviam atuar mais e até investigar”.

De resto, os empresários contactados pelo ECO adiantam que uma das características que melhor assentam ao regulador é a discrição, e nisso Carlos Tavares parece ter nota 10. Fortunato Frederico, presidente da Kyaia, um dos maiores grupos de calçado nacional diz mesmo que “os últimos tempos foram de muito barulho e o presidente da CMVM não contribuiu para essa barulheira infernal o que do meu ponto de vista é positivo”.

Já Nuno Ribeiro da Silva, presidente da Endesa Portugal reconhece que Carlos Tavares exerceu dois mandatos “num contexto extremamente difícil marcado por casos atípicos como sejam o BES e o BPN”. Para Ribeiro da Silva “Portugal não tem uma bolsa que tenha conseguido relançar e atrair empresas financiando-se no mercado mas isso também é fruto da envolvente política”.

“Os últimos tempos foram de muito barulho e o presidente da CMVM não contribuiu para essa barulheira infernal o que do meu ponto de vista é positivo.”

Fortunato Frederico

Presidente da Kyaia

O caso BES é de resto uma pedra no sapato do regulador, ainda que os empresário adiantem que “não era à CMVM que competia a supervisão”, como refere Armindo Monteiro presidente da Compta. Armindo Monteiro enaltece a postura “low profile de Carlos Tavares numa altura em que o mercado de capitais precisa sobretudo de tranquilidade”.

Sobre o perfil da sucessora os empresários são unânimes “tem que ser alguém experiência profissional”, “com um perfil muito mais técnico e sobretudo tem que ser alguém isento com capacidade para afrontar os poderes que tiver que afrontar”.

O presidente da Compta refere ainda o “excesso de regulamentação que existe sobre os bancos” esperando que essa regulamentação “excessiva não recaia também sobre as empresas”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Gabriela Figueiredo Dias vai ser a presidente da CMVM

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião