Médicos recebem mais por horas extra em urgência

  • Margarida Peixoto e Rita Atalaia
  • 14 Outubro 2016

A proposta do OE para 2017 confirma que as horas extra pagas aos médicos em serviço de urgência vão ter o seu valor reforçado. O objetivo é evitar o recurso a empresas de trabalho temporário.

Os médicos em serviço de urgência vão receber mais pelas horas extraordinárias, de acordo com a proposta preliminar do Orçamento do Estado a que o ECO teve acesso.

O reforço do valor das horas extraordinárias só se vai aplicar nas urgências. O objetivo do Governo é evitar o recurso a empresas de trabalho temporário. O documento faz referência à “definição de um regime específico do trabalho extraordinário ou suplementar prestados pelos profissionais de saúde necessário para assegurar o funcionamento dos serviços de urgência”.

Os salários podem ainda aumentar 20% para os trabalhadores do Instituto Nacional de Emergência Médica “em situações excecionais e delimitadas no tempo, designadamente de calamidade pública“.

Estas medidas vão ao encontro da promessa que já tinha sido feita pelo ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, em junho. Atualmente as horas extraordinárias dos médicos estão a ser pagas a 50%. Contudo, o ministro tinha desde logo avisado que a correção desta situação não poderia ser feita “toda de uma vez”.

Médicos aposentados podem manter pensões

Sobre a contratação de médicos reformados, o documento mostra que os profissionais que exerçam funções em serviços “da administração central, regional e local, empresas públicas ou quaisquer outras pessoas coletivas”, podem manter as pensões, com o acréscimo da remuneração correspondente à função e dependente do “caso, escalão ou posição remuneratória detida até à data da aposentação”.

O número de pacientes a atribuir aos médicos aposentados vai depender da carga horária semanal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Médicos recebem mais por horas extra em urgência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião