Quem faz descer o défice? Economia, BdP e BPP

  • Margarida Peixoto
  • 15 Outubro 2016

O maior contributo para a descida do défice em 2017 vem da economia. Logo a seguir, há que agradecer a ajustamentos contabilísticos ligados ao BPP e aos dividendos do Banco de Portugal.

Os contribuintes vão pagar mais impostos indiretos. Os dirigentes da função pública são forçados a apertar o cinto às contas dos respetivos serviços. Mas não é aqui que a redução do défice orçamental prometida pelo Governo para o próximo ano se joga: quem faz descer o défice é a própria economia, o Banco de Portugal e efeitos especiais relacionados com o BPP.

As contas estão no relatório do Orçamento do Estado para 2017, entregue pelo Governo na Assembleia da República esta sexta-feira à noite. Segundo o documento, o défice em contabilidade nacional — a que mais importa à Comissão Europeia, porque é nesta ótica que as metas são fixadas — desce para 3.015 milhões de euros. São cerca de 1.500 milhões de euros a menos do que o ministro das Finanças, Mário Centeno, prevê que se registe em 2016.

E como é que se chega até aqui?

Desde logo, há medidas de política orçamental que dificultam esse ajustamento, já que agravam a despesa. Por exemplo, o efeito líquido da reposição salarial aos funcionários públicos (que recebem em 2017 salários completos durante um ano inteiro) está avaliado em 257 milhões de euros. A atualização das pensões é a outra medida de maior dimensão: custa 187 milhões de euros.

Mas, para compensar, Centeno encontrou também medidas que geram poupanças, como é o caso da chamada ‘regra 2 por 1’ (é permitida apenas uma contratação para as administrações públicas, por funcionário que sai para a reforma). Esta medida permite arrecadar 122 milhões de euros. Desta vez, o Executivo apresentou um “exercício de revisão da despesa”, isto é, um conjunto diversificado de medidas, distribuídas por vários setores, que geram poupanças. Mas este exercício de apertar o cinto não vai além de 75 milhões de euros.

Do lado da receita, a ordem de grandeza do impacto das medidas é ainda mais baixa. A mais significativa é a eliminação faseada da sobretaxa de IRS, que custará 200 milhões de euros, tal como o ECO já tinha adiantado. Se o Governo tivesse mantido o compromisso de eliminar a sobretaxa para todos, em janeiro, o custo da medida teria subido para 380 milhões de euros. Há também que considerar o efeito da aplicação da taxa reduzida de IVA ao setor da restauração durante um ano completo — custa 175 milhões de euros.

Para acomodar as descidas nestes impostos, Centeno foi procurar outros onde pudesse carregar a carga. Optou, por exemplo, por penalizar o património, com um adicional ao IMI, criou um programa especial de regularização de dívidas com perdão de juros, que deve render 100 milhões de euros aos cofres públicos, atualizou o IABA e o ISP.

Contas feitas, entre o deve e o haver, Centeno ficou com mais 140 milhões de euros de receita, mas com mais 331 milhões de euros na despesa. A tabela no final do texto mostra todas as medidas em detalhe.

Então como é que o défice desce?

Se esta fosse a única dimensão da política orçamental do Governo, o défice subia, não descia. Mas o ministro está a contar com duas armas de grande calibre: a dinâmica da própria económica e outros efeitos especiais que beneficiam a receita.

Primeiro, a economia. Segundo o relatório, “os impactos da evolução macroeconómica na receita fiscal e contributiva e na despesa” beneficiam o défice em 903 milhões de euros. Do esforço inicial de 1.500 milhões de euros, só esta dinâmica permitiria resolver 60% do problema.

Aqui incluem-se, por exemplo, os efeitos benéficos da redução da despesa com subsídios de desemprego, do aumento das contribuições para a Segurança Social ou da subida da coleta fiscal por causa da melhoria da atividade económica.

E por fim, os efeitos especiais. Há 812 milhões de euros que melhoram o défice e que o Governo explica assim: “dividendos do Banco de Portugal (BdP), recuperação da garantia do BPP e poupanças em juros e em PPPs”. O ECO foi procurar no relatório o detalhe de cada uma destas medidas, e encontrou isto:

  • BPP: trata-se da recuperação de garantias estatais, no valor de 450 milhões de euros. É um ajustamento ao défice em contabilidade nacional, na verdade, vai lá estar no défice em contabilidade pública;
  • Dividendos do Banco de Portugal: a melhoria está avaliada pelo Governo em 303 milhões de euros e fazem as receitas subir mais de 13%.
  • PPP: há uma redução de encargos com parcerias público-privadas avaliada em 47 milhões de euros;
  • Juros: o Governo prevê o pagamento antecipado de dívida ao FMI, em cerca de 1.500 milhões de euros, que poderá influenciar positivamente a evolução dos encargos com juros.

Medidas de política orçamental para 2017

Fonte: Ministério das Finanças
Fonte: Ministério das Finanças

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem faz descer o défice? Economia, BdP e BPP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião