Queda no preço do petróleo penaliza bolsas norte-americanas

Wall Street encerrou a sessão em terreno negativo numa sessão em que o preço do crude caiu abaixo dos 50 dólares por barril.

Tudo no vermelho. As bolsas norte-americanas encerraram esta segunda-feira em terreno negativo, após uma sessão pouco favorável para as empresas energéticas. O preço do crude caiu abaixo dos 50 dólares por barril e as ações do mercado retalhista também sofreram — só a Amazon, uma das principais empresas desse setor, vai já na terceira sessão consecutiva de perdas.

Neste contexto, o índice de referência mundial S&P 500 cedeu 0,3% para 2126,50 pontos. O industrial Dow Jones encerrou a desvalorizar 0,29% e o tecnológico Nasdaq derrapou 0,27%. Um cenário pouco animador para os investidores, mesmo depois de o Bank of America apresentar resultados acima do esperado — as ações da instituição financeira valorizaram 0,31% para 16,05 dólares cada.

À agência Bloomberg, Mark Kepner, diretor-geral e trader da Themis Trading, diz que, nas próximas semanas, estará “focado nos ganhos, mantendo um olho no [valor do] dólar e nas taxas de juro”. A temporada de apresentação de resultados das empresas norte-americanas vai também acelerar a partir desta semana e, por isso, Mark Kepner recorda que “o dólar continua a ganhar força e isso pode afetar os ganhos”.

"Nas próximas semanas estarei focado nos ganhos, mantendo um olho no dólar e nas taxas de juro.”

Mark Kepner

Diretor-geral e trader da Themis Trading

Nesta sessão, destaque ainda para a Hasbro, a conhecida empresa de brinquedos e jogos de tabuleiro, que registou esta segunda-feira ganhos de 7,43%. As ações da Hasbro valem agora 81,82 dólares, depois de a empresa apresentar lucros muito acima do previsto. A subida nas receitas foi de mais de 14% no trimestre para 1,68 mil milhões de dólares, enquanto os analistas previam um crescimento de apenas 5%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Queda no preço do petróleo penaliza bolsas norte-americanas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião