António Ramalho confiante no sucesso do processo de venda do Novo Banco

  • Lusa
  • 3 Novembro 2016

O presidente executivo do Novo Banco disse que a sua expectativa é que o processo de venda da instituição, cujas propostas finais têm que ser entregues até amanhã, corra "muito bem".

O presidente executivo do Novo Banco disse hoje que a sua expectativa é que o processo de venda da instituição, cujas propostas finais têm que ser entregues até amanhã, sexta-feira, corra “muito bem”, permitindo encontrar um novo acionista.

“A expectativa que temos é que corra tudo muito bem e que seja um passo decisivo na vida do banco, em que se dá o início da escolha de um novo acionista”, afirmou António Ramalho aos jornalistas, à margem de um encontro promovido pelo Fórum de Administradores e Gestores de Empresas (FAE), em Lisboa.

"A expectativa que temos é que corra tudo muito bem e que seja um passo decisivo na vida do banco, em que se dá o início da escolha de um novo acionista”

António Ramalho

Presidente do Novo Banco

Questionado sobre quem são os interessados na compra do Novo Banco, António Ramalho ‘passou a bola’ para o acionista, que é o Fundo de Resolução, entidade ligada ao Banco de Portugal.

A data final das propostas é amanhã [sexta-feira] e amanhã [sexta-feira] o Fundo de Resolução dará a informação que entender dar”, afirmou, elogiando o modo como o processo de venda tem sido conduzido.

“O Fundo de Resolução tem liderado a venda de forma exemplar. De resto, nós estamos tão expectantes como está a comunicação social”, lançou.

Confrontado com a possibilidade de o processo de venda falhar e isso implicar uma nova redução de trabalhadores do banco, o gestor voltou a mostrar-se convicto no sucesso da operação.

A questão do banco não ser vendido nem se coloca. Sobretudo hoje, na véspera da data final das propostas”, reforçou, sem querer avançar com qualquer estimativa dos valores que vão resultar da operação e se os mesmos vão ser suficientes para compensar a injeção de capital feita no momento da resolução da entidade.

"A questão do banco não ser vendido nem se coloca.”

António Ramalho

Presidente do Novo Banco

António Ramalho disse que vai “continuar a não falar de valores”, sublinhando apenas que “é um orgulho como gestor ver que há tanta gente interessada no Novo Banco”.

O líder do Novo Banco foi ainda questionado sobre a polémica em torno dos salários da nova administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), mas não se alongou em comentários.

“Não faço comentários sobre os meus concorrentes. Só digo que no Novo Banco temos que ser totalmente transparentes”, vincou.

Os candidatos à compra do Novo Banco podem apresentar propostas finais e melhoradas até às 17:00 de sexta-feira, revelou à agência Lusa fonte próxima do processo.

O prazo é válido tanto para os investidores estratégicos, como para aqueles que estão interessados na operação em mercado, segundo a informação recolhida junto de fontes do setor financeiro.

À venda direta apresentaram-se o BPI, o BCP, a Apollo Mangement e a Centerbridge e Lone Star, enquanto na opção de aumento de capital está interessado o China Minsheng Financial Holding, do grupo chinês Minsheng.

A 03 de agosto de 2014, o Banco de Portugal tomou o controlo do Banco Espírito Santo (BES), depois de o banco ter apresentado prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades distintas.

No chamado banco mau (‘bad bank’), um veículo que mantém o nome BES, ficaram concentrados os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas.

No ‘banco bom’, o banco de transição que foi chamado de Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos.

Em dezembro do ano passado foram prolongadas as garantias estatais ao Novo Banco e a data limite para a sua venda foi estendida até agosto de 2017.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Ramalho confiante no sucesso do processo de venda do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião