Lucros da EDP Renováveis derrapam 71% nos primeiros nove meses

A energética, que reportou lucros de 29 milhões de euros, foi penalizada por "eventos não recorrentes", apesar de ter visto as receitas aumentarem em 12%.

A EDP Renováveis viu os lucros dos primeiros nove meses do ano afundarem 71%, para 29 milhões de euros, depois dos 99,6 milhões registados no mesmo período do ano passado, anunciou a energética, em comunicado enviado esta manhã à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A penalizar os resultados da energética estiveram “eventos não recorrentes relacionados principalmente com o cancelamento antecipado e otimização de determinados project finances na Europa”, justifica a EDP Renováveis. Ao mesmo tempo, no ano passado, a empresa tinha beneficiado da “consolidação da ENEOP” (o projeto de energia eólica).

2016out21_resultados-das-empresas-20

Os resultados líquidos da EDP Renováveis registaram assim uma evolução negativa, apesar as receitas terem aumentado 12% face 2015, totalizando 1.210 milhões de euros.

No conjunto de janeiro a setembro, a empresa liderada por João Manso Neto registou um EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de 847 milhões de euros, um aumento de 8% em relação ao período homólogo. Sem considerar os eventos não recorrentes, o EBITDA teria subido 17% face a 2015.

Neste período, a produção da EDP Renováveis cresceu 20%, “espelhando as dinâmicas distintas dos parques em operação e os menores preços em alguns países”. Foi o caso da Europa, onde o preço médio de venda caiu 5%, penalizado, sobretudo, pelo “menor preço de mercado em Espanha e a maior produção, diluindo o complemento de capacidade”. O preço foi ainda “condicionado pelo menor preço dos certificados verdes na Polónia.

Já nos Estados Unidos, o decréscimo de 10% do preço médio de venda “é explicado pela nova capacidade com contratos de aquisição de energia”.

A energética conseguiu ainda reduzir a dívida em 8%. No final de setembro, a dívida líquida da EDP Renováveis totalizava 3.396 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da EDP Renováveis derrapam 71% nos primeiros nove meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião