Ramalho: Novo Banco está a bater recordes

O presidente executivo agradece o empenho dos colaboradores no processo que vai levar à venda da instituição. Salienta a existência de cinco propostas.

António Ramalho escreveu aos colaboradores a agradecer os esforço que têm feito durante o processo de venda da instituição. Salienta, numa carta obtida pelo ECO, que foram batidos recordes no último mês. E agora, há cinco propostas em cima da mesa que levarão a “mais uma etapa na vida do Novo Banco”.

“Nos últimos meses o Novo Banco foi chamado a colaborar ativamente no processo de alienação do capital e de estimulo à escolha de um novo acionista“, recorda. Foram feitas quase duas mil apresentações e realizadas mais de uma centena de reuniões, além de várias conferencias telefónicas.

Ramalho diz que “este esforço das nossas equipas merece uma nota de reconhecimento”. Esse reconhecimento “é tanto mais devido quanto coincidiu com um período de maior exigência na rede de retalho e de empresas, que aliás se refletiu nos vários recordes de produção mensal obtidos no ultimo mês“.

Todo este esforço permitiu ao Novo Banco receber cinco propostas de aquisição que serão agora avaliadas pelo Banco de Portugal. António Ramalho diz com estas propostas em cima da mesa, “encerra-se uma importante etapa na vida do nosso banco”.

“Inicia-se um novo período na escolha de uma solução acionista estável que permitirá ao banco retomar o lugar a que aspira e merece no sistema financeiro português”, nota, rematando que conta com os colaboradores “para mais esta etapa na vida do Novo Banco“.

(Notícia atualizada com mais detalhes da carta de António Ramalho)

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ramalho: Novo Banco está a bater recordes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião