O guia do Barclays para sobreviver às eleições americanas

Norte, Sul, Este, Oeste. O Barclays tem as coordenadas para sobreviver às eleições desta terça-feira nos EUA. Seja qual for o vencedor.

Seja qual for o vencedor das eleições presidenciais norte-americanas, os estrategas do Barclays têm o mapa e a bússola através dos quais os investidores se devem guiar nos mercados. Trump na Casa Branca? Reduza o risco. Hillary sucede a Obama? Aposte no S&P 500, mas com cuidado porque os ganhos estão limitados a outros fatores externos.

No caso da vitória do candidato republicano, o melhor mesmo é proteger-se no imediato. O índice de referência S&P 500 deverá cair com estrondo para uma fasquia em torno dos 2.000 pontos — atualmente negoceia nos 2.131 pontos –, antes de recuperar até aos 2.100 pontos até final do ano. Mas isto sob a condição de a maior economia do mundo continuar a crescer de forma resistente.

O impacto de Trump como próximo presidente dos EUA não será tanto ao nível do índice no geral. Será antes sentido em determinados setores, dizem os analistas do Barclays. Por exemplo, setores como petrolífero, defesa e armamento e fast-food poderão até beneficiar com o republicano à frente da Casa Branca.

Se Trump vencer, o Barclays aconselha ainda a cortar a exposição aos mercados emergentes e dar prioridade a mercados asiáticos em vez dos europeus, norte-africanos ou do Médio Oriente. Neste particular, economias emergentes com elevados défices, como a África do Sul, devem estar fora dos radares dos investidores.

No caso (mais provável) de Hillary Clinton vencer, os analistas do banco britânico consideram que não são favas contadas. Haverá ganhos nos mercados, mas serão sempre limitados.

Isto porque há dois fatores principais que vão condicionar as estratégias dos investidores nos próximos tempos: a Reserva Federal norte-americana, que já deixou claro que pode subir as taxas de juro em dezembro; e ainda o referendo em Itália, a 4 de dezembro, com vista à reformulação da Constituição italiana, considerado um teste político ao Governo de Matteo Renzi.

Ainda assim, o mercado sinaliza setores como a Saúde, Consumo e Renováveis como áreas onde as empresas terão mais a ganhar com a candidata democrata no poder.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O guia do Barclays para sobreviver às eleições americanas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião