E se a política fosse uma startup?

Julia Hartz, CEO da Eventbrite, esteve em palco com o ex-primeiro ministro grego, George Papandreou. Falaram de liderança, de política e de startups.

O que é que um político e um empreendedor têm em comum? George Papandreou diz que é a inovação. “Fazemos inovação em todos os setores. E, uma boa política é também inovação. Criar confiança é inovação”, disse George Papandreou, ex-presidente do governo da Grécia. O grego comparou a situação de crise política com o momento em que alguém tem um ataque cardíaco. Precisamos de novas perspetivas para perceber o que se passa. Depois de ter um ataque cardíaco é preciso repensar a vida. Os líderes podem mobilizar para ser parte da solução? A liderança divide ou traz diversidade?”, questionou o político.

Sob o tema Leadership: you can’t do it all, George Papandreou subiu ao palco principal do Web Summit com a CEO da Eventbrite, Julia Hartz. A conversa passou por tópicos como a “confiança”, a “família”, o “negócio” e o “comprometimento”.

“A tecnologia pode ser o catalisador da empatia. (…) E a empatia é muito importante para perceber as crenças e motivações de outras pessoas. Empatia cognitiva é uma das mais importantes ferramentas da liderança”, considera Julia Hartz.

Para uma boa liderança, contribui também afastar-se do “ego” em momentos de transição. “É um equilíbrio difícil porque estou preocupada com a minha equipa. Mas num momento de transição, foi muito importante fazer exercícios mentais para andar para trás e perceber do que é que o negócio precisava. Os medos e os egos separam os bons líderes dos outros”, garante a CEO do Evetbrite que, recentemente, teve de assumir a total liderança da empresa, que antes dividia com o marido.

Para o político grego, as palavras-chave para uma liderança bem sucedida são as seguintes: honestidade, confiança, diálogo, tentar perceber o outro lado, falar com o outro lado, trabalhar com ele. “E perceber as diferenças, aquilo que nos divide. Já vi líderes que eram capazes de fazer isso mas que dividem a audiência para manter o poder”, explica. Mas garante: “não há desenvolvimento técnico que não seja também político”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E se a política fosse uma startup?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião