Vitória de Trump afunda energia em Lisboa

  • Rita Atalaia
  • 10 Novembro 2016

A incerteza provocada pela vitória de Donald Trump nas eleições dos EUA está a arrastar as energéticas portuguesas para o vermelho. Perdas da EDP e da EDP Renováveis já rondam os 5%.

As energéticas portuguesas estão a cair acentuadamente. Mas esta queda está a ser provocada pela incerteza em torno da vitória de Donald Trump nas eleições e não devido a um fator concreto. O mercado está a tentar perceber quais serão os próximos passos do novo Presidente dos EUA para este setor.

“É claramente uma reação exagerada”, diz um analista do setor que preferiu não ser identificado. A EDP está a cair 4,7% e a subsidiária EDP Renováveis está a ceder 5,8%.

Esta queda “é mais causada pela incerteza do que vem a seguir do que por um fator mais concreto”, explica. No dia dos resultados das eleições, as energéticas portuguesas foram as mais castigadas pelos investidores. Registaram quedas de 2,94% e 5,13%, respetivamente. Nos dois dias, as duas empresas já perderam quase 1,5 mil milhões de euros de valor em bolsa.

EDP afunda 4,7% na sessão

 

Fonte: Bloomberg
Fonte: Bloomberg

Subsidiária EDP Renováveis já cai quase 6%

Fonte: Bloomberg
Fonte: Bloomberg

Esta descida reflete a exposição das empresas ao mercado norte-americano. Os EUA têm um grande peso na energia eólica da EDP Renováveis que é controlada pela EDP. Mas, segundo o analista, os projetos da empresa de energia renovável não estão em causa nem vão ficar. A empresa liderada por Manso Neto tem vários contratos assinados com empresas privadas para produzir 1.000 megawatts durante 10 ou 20 anos. “Por isso, isto não depende do Governo”, esclarece o especialista.

Para além disso, os benefícios fiscais para as energéticas foram estendidos até 2023. “Esta medida já foi aprovada pelos republicanos e vai além do mandato de Trump”, relembra o analista.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Vitória de Trump afunda energia em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião