Chineses do Novo Banco estão às compras na Europa

  • Rita Atalaia
  • 16 Novembro 2016

O Minsheng não quer apenas o Novo Banco. Os chineses estão à caça de oportunidades no setor financeiro europeu. Porquê a Europa? Os investimentos não são tão vulneráveis a questões políticas, dizem.

Os chineses do Minsheng estão às compras na Europa. O Novo Banco pode ser a porta de entrada, mas não vão ficar por aqui. A instituição chinesa está à procura de oportunidades no setor financeiro europeu e aposta num reforço da relação da China com a Europa.

“Passamos algum tempo na Europa. E não consideramos que os investimentos sejam tão vulneráveis a questões políticas“, diz Wang Ren, CFO do China Minsheng Financial, à Reuters. Em relação ao Novo Banco, que o Estado está a tentar vender após um resgate em 2014, o responsável não quer dar mais detalhes sobre a oferta dos chineses.

O Novo Banco tem vários interessados. No início de outubro, o Minsheng juntou-se a este grupo composto pelo Banco Comercial Português, BPI e por três fundos norte-americanos.

"Passamos algum tempo na Europa. E não consideramos que os investimentos sejam tão vulneráveis a questões políticas”

Wang Ren

CFO do China Minsheng Financial

O Minsheng também não quis especificar possíveis aquisições ou em que países estará à procura de oportunidades. Wang refere que o reforço da presença de empresas chinesas na Europa é uma oportunidade para se expandir para a região através da compra de financeiras. “Quando olhamos para os números, há mais de 200 pequenas e médias empresas alemãs que foram compradas pelos chineses”, explica o CFO, acrescentando que o banco chinês pode usar a base de depósitos do Novo Banco para se expandir para outros países europeus.

O ECO avançou que o BPI e o BCP apresentaram uma proposta para a compra do Novo Banco que, contudo, não deverá cumprir o caderno de encargos estipulado pelo Banco de Portugal. O Minsheng terá também apresentado uma proposta firme, se bem que neste caso para o procedimento de venda em mercado.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chineses do Novo Banco estão às compras na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião