Quais os efeitos do terrorismo na economia?

Entre os setores económicos afetados em 2016 pelo terrorismo está o da aviação. No futuro esse perigo pode alastrar-se à segurança do património das empresas, avisa um estudo da seguradora Marsh.

A segurança do património da empresa é um dos principais riscos que as empresas vão enfrentar no futuro. A expansão do terrorismo na Europa é a principal ameaça, segundo um estudo da companhia de seguros Marsh.

“As empresas portuguesas devem agir como estando perante uma situação de urgência”, aconselha o especialista em Risco Político & Social da empresa, Fernando Chaves. O especialista explica que esse risco não está, para já, em Portugal, mas sim nos países para onde as empresas portuguesas se expandiram ou exportam.

“Desde o início desta longa crise, procuraram oportunidades e investiram em países emergentes, criaram empresas ou aumentaram as suas exportações para o resto da Europa e outros Continentes. Hoje são muitas as empresas que têm a sua rentabilidade dependente de mercado externo”, considera Fernando Chaves. E é nesses países onde, atualmente, o perigo do terrorismo é uma realidade mais próxima.

Há um exemplo em que, segundo o estudo, isso traduziu-se em perdas de receita: “As companhias aéreas europeias, por exemplo, sofreram fortes perdas de receita devido ao medo dos passageiros após os bombardeios do ISIS, como também uma queda nos preços das ações devido ao Brexit”.

As empresas portuguesas devem agir como estando perante uma situação de urgência.

Fernando Chaves

Especialista em Risco Político & Social da Marsh

Assim, o estudo “Resilience Amid Disorder” defende que “as empresas precisam de estar mais conscientes quanto à volatilidade, surpresas e mudanças estruturais que possam vir a enfrentar”. Além da violência extremista, as crises políticas internas e os distúrbios civis também são dois fatores de instabilidade.

“No ano de 2016 assistimos a uma variedade de distúrbios civis, crises políticas internas e violência extremista em todas as partes do mundo – fervor populista, greves, protestos, tumultos, terrorismo, movimentos de independência e insurgências”, explica o comunicado de imprensa sobre o estudo.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quais os efeitos do terrorismo na economia?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião